Ir direto ao conteúdo

Co·ra·gem

“Coragem” vem do coração, “covardia" vem do rabo. É assim no latim. “Covarde" remonta a “cauda" ou “coda" (passando pelo francês antigo “couard”): o covarde é aquele que sai com o rabo entre as pernas.

Já o corajoso age (ou fala, ou pensa) de acordo com o coração, “cor” em latim. Em 1974, a empresa japonesa Sanrio criou uma personagem de uma gata que parece uma pessoa, mas que não tem boca. Explicaram que é porque “ela fala com o coração” – Hello Kitty, corajosa.

Não se deve pensar, porém, que “coragem" tem a ver com amor, só porque passa pelo coração. A palavra é antiga demais para isso. No Ocidente, foi por volta do século 12, com o surgimento do amor cortês, que o coração começou a ser associado aos sentimentos românticos, e mesmo assim levou muito tempo até que a ideia vingasse. O coração, para Aristóteles, escrevendo em 4 a.C., era o órgão mais importante do corpo, lar da inteligência, do movimento e das sensações. No século 3 d.C., em Roma, o médico Cláudio Galeno referia-se ao coração como “fonte de calor inato, pelo qual o animal como um todo é governado”, mas dava mais importância, de modo geral, ao fígado, de onde vinham os humores que definiam o temperamento (o sujeito podia ser melancólico, colérico, sanguíneo ou fleumático). É provável que o que entendemos hoje por “amor" fosse, na teoria de Galeno, uma paixão hepática.

Depois de Galeno, levou cerca de 1.400 anos até que o médico britânico William Harvey descobrisse e divulgasse a função fisiológica do coração: bombear sangue. Em seu tratado “Sobre a circulação do sangue” (1628), escreve: “o coração se localiza entre a quarta e quinta costela. Portanto [é] a parte principal, pois está no lugar principal, como no centro de um círculo, na metade do corpo necessário”, e refere-se ao órgão como “rei" e “Sol" do ser humano. Ter coragem é estar concentrado, “com" + “centrum”, conectado ao coração. A covardia, por consequência, é desconcentração.

Sofia Nestrovsky é mestre em teoria literária pela USP e colabora para revistas como Piauí, Quatro cinco um e Cult.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!