Ir direto ao conteúdo

Pro·je·to

O verbo “projetar” acompanha os substantivos “projeto" e “projeção”. Fazer uma projeção para o futuro não é a mesma coisa que fazer um projeto para o futuro: a primeira é uma estimativa; o segundo, um plano.

Vieram do latim “projectus”, palavra formada pelo prefixo “pro-” com o particípio passado do verbo “iacere”. O projeto é aquilo que foi lançado ou jogado à frente – como também faz o projétil, outra palavra que deriva daí. Na origem, “projeto” e "projétil" são quase idênticas a “problema”, mas essa é do grego, forma substantivada do verbo “ballein” + “pro-”. Elas têm praticamente o mesmo significado – “problema" é algo “jogado adiante”, como uma pedra colocada no meio do caminho.

Muitas palavras do português atual derivam desses dois verbos, “iacere" e “ballein". Do primeiro temos, por exemplo, “adjetivo”, aquilo que é “jogado ao lado” do substantivo. Ou “abjeto”, que significava “jogado fora”, palavra que foi se transformando até ter o sentido de “desprezível”, “baixo”, “vil”. Já “objeto” é aquilo que é colocado próximo ou contra, e “sujeito" é colocado embaixo – submetido, subjugado.

De “ballein”, temos “parábola”, fala ou história que transmite uma mensagem indireta; “para-" + “ballein" é “jogar ao lado” (parecido com “adjetivo”). “Parábola" se transformou até virar “palavra" em português, assim como “parlare” em italiano e “parler" em francês, que significam “falar”. O exagero retórico da “hipérbole” é algo que foi “jogado além”. “Emblema" é jogado dentro; “símbolo”, “jogado junto”.

Em 1901, o ilusionista Walter R. Booth, ao lado do produtor Robert W. Paul, criou um dos primeiros exemplos de truque de edição cinematográfico: um filminho de menos de dois minutos sobre um artista que projeta imagens numa tela, que logo ganham projeção no mundo real. O filme termina com ele criando uma criança – primeiro em desenho, em seguida, em carne e osso. Criança ou “projeto de gente”, diz o dicionário.

Sofia Nestrovsky é mestre em teoria literária pela USP e colabora para revistas como Piauí, Quatro cinco um e Cult.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!