Ir direto ao conteúdo

Ré·vei·llon

Na Europa da Idade Média, era difícil saber ao certo quando seria o ano novo. Havia três datas comuns para se escolher, e normalmente cada novo papa elegia uma delas para celebrar: o ano novo no dia 25 de dezembro era conhecido como “estilo natividade”; em 1 de janeiro era “estilo circuncisão”; 25 de março, “estilo anunciação”. Todas dizem respeito à vida de Cristo. A primeira, seu nascimento, a segunda, o dia de sua circuncisão – na tradição judaica ocorre sempre oito dias após o nascimento –, a terceira, comemorada pelos cristãos como o dia em que o anjo Gabriel anuncia a Maria que ela seria mãe de Cristo. Até meados do século 18, a maioria dos países ocidentais já havia optado por começar o ano em janeiro.

“Réveillon” vem do verbo “réveiller”, que, em francês, significa “acordar”, “despertar”. O “Réveillon” originalmente era o jantar de Natal, que ocorre no meio da noite, e com o tempo passou a significar também o jantar da meia-noite da véspera de um novo ano. “Ano”, em latim, “annus” significa “anel” porque cada ano é uma nova volta em torno do Sol – ou, como escreve santo Isidoro de Sevilha em seu livro de etimologias (do século 7), o ano é um anel porque com o passar dos meses, ele gira e volta sobre si mesmo. Para a volta do ano há uma outra palavra em latim, “anniversarius”, de “annus" + “versus”, “volta”, “retorno” (e “universum”, de “unus” + “versus” significa “voltar a um”, “virar um”).

“Réveiller” veio de “éveiller”, palavra de significado muito próximo, mas sem o prefixo “re-”, intensificador. Ela, por sua vez, deriva do latim “vigilia”, que só precisou de um acento agudo no segundo “i” para se acomodar ao português (nossa língua gosta mais de paroxítonas). A “vigilia” latina remonta à raiz “weg-” do protoindo-europeu, que significa “ter força, vigor”. “Vigorar”, em português, quando ganha o intensificador “re-”, nos dá “revigorar”, parente etimológico do início de um novo ano, “Réveillon”.

Sofia Nestrovsky é mestre em teoria literária pela USP e colabora para revistas como Piauí, Quatro cinco um e Cult.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: