Ir direto ao conteúdo

Bom·ba

“Bomba” entrou no português via Itália, “bomba”, ou França, “bombe”. Sua primeira ocorrência registrada é do século 16, “bõba”. Antes, a palavra existia em latim, ���bombus”, que por sua vez, vem do grego, “bómbos”, um ruído surdo, ou o som do trovão. A hipótese mais difundida da origem da palavra é de que ela é onomatopaica. Isto é: para um grego antigo, a “explosão tchakabum” soava simplesmente como “bomba”.

Mas a história da palavra “bomba” se confunde também com os insetos do gênero Bombyx. Em meados do século 7, Santo Isidoro de Sevilha escreveu em suas “Etimologias” que o bicho-da-seda, “bombycinum”, recebera esse nome porque ele se esvazia por completo à medida que fia a seda e, no final do processo, resta apenas ar dentro dele, como uma pequena bomba. Ou, segundo um comentador, como uma pequena flauta, porque “bombyx” também era um dos nomes de antigos instrumentos de sopro. Ou, ainda, numa etimologia menos provável, o nome do inseto entrou para o grego a partir do persa antigo, “pambak”, que significa algodão, e na confusão entre tecidos e métodos, árvores e insetos, alguém decidiu que bicho-da-seda também era algodoeiro.

Com isso, até as bombachas participam da história: “bombax” é algodão em latim. E “bombástico”, que hoje significa “estrondoso”, “empolado”, “pretensioso”, surgiu por alusão ao exagero no volume de tecidos, até virar o exagero mais generalizado de volume de fala e extravagância de modos e gestos.

Mais recentemente, em 1995, o cantor jamaicano-americano Shaggy lançou seu álbum “Boombastic”, unindo a palavra “bombastic” com “boom”, o som da batida da música. Na faixa homônima, define a si mesmo como “Mr. Boombastic”, e segue rimando sua autodenominação com “fantastic” e “romantic”. É provavelmente por acaso, mas logo no começo da canção ele sintetiza em meia frase os percursos dessas confusões da etimologia: “I’m smooth, just like silk”, “sou macio como a seda”, bombástico.

Sofia Nestrovsky é mestre em teoria literária pela USP e colabora para revistas como Piauí, Quatro cinco um e Cult.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!