Ir direto ao conteúdo

O que você sabe sobre a obra de Elis Regina? Faça o teste

Neste quiz, o ‘Nexo’ avalia seus conhecimentos sobre a cantora considerada a maior de todas na história da música brasileira

Intérprete conhecida pela personalidade forte, pela interpretação altamente emotiva e pela maior voz da história da música brasileira, a cantora Elis Regina nasceu em 17 de março de 1945 em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Em 2020, completaria 75 anos.

Ainda muito jovem, aos 11 anos, Elis começou a carreira em uma rádio gaúcha para crianças. Cinco anos depois, gravou o primeiro LP, chamado de “Viva a brotolândia”, num rock estilo Celly Campello. Muito rápido, deixou as terras do Sul para se lançar como cantora nacional, se apresentando na TV e migrando para a MPB, a bossa nova e o samba.

“A música é meu arco, minha flecha, meu motor, meu combustível e minha solidão. Amigo, cantar é um ato que se comete absolutamente só, e eu adoro”

Elis Regina

frase citada em programa chamado “Elis especial”, gravado no antigo “Sexta-feira nobre”, da Rede Globo; a citação foi reproduzida pelo UOL

Ao longo da carreira, que estourou entre os anos 1960 e 1970, Elis mostrou-se uma artista versátil. Intérprete, não compunha suas canções. No lugar, firmava parcerias com grandes compositores de sua época, como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Belchior, Milton Nascimento e Tom Jobim. Foi também amiga de Rita Lee.

Elis deu voz a “Águas de março”, “Como nossos pais”, “Tiro ao álvaro”, “Dois pra lá, dois pra cá”, “Retrato em branco e preto”, “Fascinação”, “Alô, alô, marciano” e “O bêbado e a equilibrista”. A cantora gravou mais de 15 álbuns de estúdio — seis deles com o mesmo nome, “Elis” — e fez lançamentos à parte.

Assim como outros artistas da época, tentou ser uma voz política atuante no período da ditadura militar (1964-1985). A cantora, que tinha o hábito de fazer declarações fortes, se opôs publicamente ao regime. Em 1969, na Europa, disse que o Brasil era governado por gorilas. Quase nunca foi punida, dada sua popularidade imensa.

A carreira de Elis foi marcada por diversos ritmos, com álbuns mais comerciais e trabalhos considerados mais robustos. Ao mesmo tempo em que estava fazendo música, Elis dividia o tempo com a família. Casou-se duas vezes: primeiro, com o músico Ronaldo Bôscoli, e depois com o pianista Cesar Camargo Mariano.

Após poucos anos de uma jornada que parecia meteórica, Elis morreu em janeiro de 1982, aos 36 anos, em São Paulo. Sua morte foi atribuída a uma overdose causada pelo uso abusivo de álcool e cocaína, segundo exames. A cantora deixou três filhos, João, Pedro e Maria Rita. Neste quiz, o Nexo faz 10 perguntas sobre a vida de Elis.

“Menino que vai pra feira / Vender sua laranja até se acabar / Filho de mãe solteira / Cuja ignorância tem que sustentar

Após o primeiro álbum de rock, Elis Regina lançou, em 1965, seu primeiro grande sucesso, “Menino das laranjas”. No mesmo ano, a cantora passou a comandar um programa de TV. Qual?

“O fino da bossa”
“Trem azul”
“Samba a dois”

“Trabalhando o sal é amor é o suor que me sai / Vou viver cantando o dia tão quente que faz / Homem ver criança buscando conchinhas no mar / Trabalho o dia inteiro pra vida de gente levar”

A música “Canção do sal”, do álbum “Elis” (1966), foi escrita por um compositor que a cantora ajudaria a revelar. Quem?

Ivan Lins
Milton Nascimento
Gilberto Gil

Qual destes NÃO foi um apelido de Elis Regina?

Pitica
Pimentinha
Hélice Regina

Um evento em 1972 levou Elis a perder popularidade. Qual?

Uma entrevista na qual se revelou antifeminista
Uma apresentação do Hino Nacional em um evento do Exército
Um episódio de raiva no qual Elis jogou um violão no público

“É, você que é feito de azul / Me deixa morar nesse azul / Me deixa encontrar minha paz / Você que é bonito demais / Se ao menos pudesse saber / Que eu sempre fui só de você / Você sempre foi só de mim

De que álbum é a música “Só tinha de ser com você?”

“Elis — Como e porque” (1969)
“Essa mulher” (1979)
“Elis & Tom” (1974)

“Não quero lhe falar / Meu grande amor / Das coisas que aprendi / Nos discos / Quero lhe contar como eu vivi / E tudo o que aconteceu comigo”

Qual o nome do espetáculo que Elis lançou para contar a própria biografia?

“Falso brilhante”
“Saudade do Brasil”
“Essa mulher”

“No dia em que eu apareci no mundo / Juntou uma porção de vagabundo da orgia / De noite teve samba e batucada / Que acabou de madrugada em grossa pancadaria

Elis gravou a versão definitiva de “Na batucada da vida”, de Ary Barroso e Luiz Peixoto. Antes dela, quem havia gravado a música?

Nora Ney
Maysa
Carmen Miranda

Elis foi uma das principais vozes de artistas que protestaram contra a ditadura militar (1964-1985). Que música interpretada por ela virou o “hino da anistia”, no início da redemocratização?

“Alô, alô, marciano”
“O bêbado e a equilibrista”
“Fascinação”

Elis compôs ao menos uma música em vida. Qual?

“Verão vermelho”
“Maria do Maranhão”
“Triste amor que vai morrer”

Elis ganhou o posto de maior voz feminina do Brasil. Ela, por outro lado, costumava atribuir o título a outra cantora. Quem?

Angela Maria
Nora Ney
Elizeth Cardoso

Responda todas as perguntas para ver seu resultado final.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: