Em uma mensagem no fim do ano passado, o presidente Michel Temer fez previsões sobre a economia em 2017, ano apontado por ele como aquele em que “derrotaremos a crise”.

Segundo o peemedebista, os juros que começaram a cair em 2016 “cairão ainda mais”, os empregos que foram “perdidos” serão recuperados já que os “empresários voltarão a investir”. Temer ainda disse que o país precisa e vai, com trabalho, voltar a crescer. “O próximo Natal será muito melhor que este", anunciou em tom de vidência.

Indicadores como taxa de juros, PIB (Produto Interno Bruto), taxa de câmbio, inflação e desemprego são alguns dos termômetros que dão uma pista da saúde da economia de um país. O trabalho de analisar cenários e fazer prognósticos de tais indicadores faz parte da rotina de economistas de instituições privadas e públicas.

Com tais projeções em mãos, um governo pode ajustar suas políticas com mais propriedade, bem como uma empresa pode tomar suas decisões de investimento de maneira mais informada. O Nexo preparou um teste para que, ao menos por um dia, você também possa fazer previsões econômicas sobre 2017.

Em cada questão, há informações básicas sobre o que se leva em conta para a constituição do indicador e para a elaboração do seu prognóstico. Após arriscar palpites, é possível conferir as previsões do Boletim Focus, um documento organizado pelo BC que divulga projeções de economistas de bancos, corretoras, agências de câmbio e outros participantes do mercado financeiro e do setor empresarial e as feitas pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). No fim do interativo, você compara as suas previsões com a dos outros leitores.

Antes de começar, lembre-se: a previsão deve ser feita sobre o indicador no acumulado do ano, ou seja, imaginando sua situação ao cabo de 2017.