Ir direto ao conteúdo

Do que alguém como você provavelmente vai morrer

Partindo de informações como seu sexo, cor ou raça e região de origem saiba as causas mais prováveis de morte por faixa etária, além da sua expectativa de vida

A morte chega para todos, é verdade, mas questões como “quando” e “como” podem ter respostas muitos variadas, mesmo entre pessoas nascidas na mesma época. Brasileiros nascidos no mesmo ano podem ter esperança de viver bem menos ou mais que outros dependendo de ser homem ou mulher, negro ou branco, alagoano ou paulista.

Segundo o IBGE, a expectativa de vida do brasileiro em média, em 2014, era de 75,2 anos. Olhando separadamente, no entanto, vê-se que a de homens é mais baixa (71,6) que a de mulheres (78,8). Dividindo ainda por Estados – e comparando extremos –, uma pessoa nascida em Santa Catarina, estatisticamente, tem esperança de viver até 78,4 anos. O número é 8,4 anos a mais do que se a mesma pessoa tivesse nascido no Maranhão.

As causas também variam. Uma comparação que evidencia isso é entre brasileiros autodeclarados brancos ou negros (pretos e pardos). Uma pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), publicada em outubro de 2013, mostra que a probabilidade de um negro ser morto de forma violenta (homicídio) em municípios com mais de 100 mil habitantes é 3,7 maior em comparação com a de um branco. Por consequência, a esperança de vida de um negro era, na época, de 1,73 ano menor.

Abaixo, insira sua idade e confira como a partir de informações sobre o seu perfil (sexo, cor/raça e região) o gráfico com as causas de morte no Brasil por idade se modifica. Você ainda pode ver qual é a expectativa de vida projetada pelo IBGE para uma pessoa com a sua idade.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Continue sua leitura

Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: