Inflação e desemprego batem recorde e passam de 10% no Brasil

Desde o terceiro trimestre de 2021, os dois indicadores estão acima dos 10%. É a primeira vez que isso acontece na série histórica que começou em 2012

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Desde meados de 2021, a inflação acumulada e a taxa de desemprego ultrapassaram a marca dos 10%. O número, ainda que simbólico, expressa um momento delicado da economia brasileira, com reflexo direto na opinião pública sobre o governo Bolsonaro.

    No gráfico, acompanha-se o valor da inflação pela porcentagem de desempregados no Brasil desde 2012. O governo atual enfrenta o pior cenário, inflação em alta com desemprego em alta

    Enquanto o desemprego trimestral estava acima dos 10% desde 2016, a inflação havia desacelerado e estava em níveis mais baixos durante o governo Temer. No entanto, desde 2020, os preços no Brasil estão subindo, puxados pelas altas nos alimentos e combustíveis. A alta dos alimentos, sobretudo, afeta de maneira desproporcional os mais pobres, também mais vulneráveis ao desemprego.

    Os dados do gráfico começam em 2012 e não são comparáveis com os de anos anteriores por conta de diferenças metodológicas na mensuração de desemprego. O Nexo produziu outro gráfico com os dados entre 1991 e 2016, com as pesquisas antigas de desemprego, que foram descontinuadas.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.