Bolsas da Capes e CNPq completam 9 anos sem reajuste

Último aumento nos valores para mestrado e doutorado ocorreu em abril de 2013. Inflação no período foi de quase 70%

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Em 2022, as bolsas federais de pesquisa para mestrandos e doutorandos completam nove anos sem reajustes no Brasil. Na prática, isso quer dizer que os valores pagos aos pesquisadores tiveram uma redução de 66,6%, por conta da inflação no período.

    Gráfico de linha mostra o valor nominal das bolsas de pesquisa da Capes e do CNPq. Desde o último reajuste, em 2013, a inflação foi de quase 70%. Observação: Valores nas linhas hipotéticas foram corrigidos pelo IPCA, do IBGE. Dados até fevereiro de 2022. Fonte: ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos).

    Atualmente, os bolsistas recebem R$1.500 no mestrado e R$2.200 no doutorado das duas principais agências federais de pesquisa, a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

    Caso tivessem sido reajustadas pela inflação desde 2013, as bolsas de mestrado deveriam ser de R$2.499 e as de doutorado de R$3.666 em fevereiro de 2022. Para além da redução no valor real recebido, os pós-graduandos brasileiros também enfrentam escassez de bolsas e de verbas adicionais para pesquisas.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.