3,2% nos países mais pobres estão completamente vacinados

Percentual médio entre as nações mais ricas é de 68,4%. Desigualdade na distribuição de vacinas dificulta controle da covid-19

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Até a primeira semana de dezembro, 44,8% da população mundial já estava completamente imunizada contra a covid-19, considerando vacinas de duas doses ou de dose única. Em países ricos, segundo a definição do Banco Mundial, esse percentual era de 68,4%, enquanto em países pobres era de apenas 3,2%.

Porcentagem da população totalmente vacinada, por nível de renda dos países. Em países ricos esse percentual era de 68,4%, enquanto em países pobres era de apenas 3,2%.

Um ano após o início da pandemia de covid-19, as vacinas contra o vírus já começavam a ser aplicadas. Em países de alta renda, isso ocorreu em proporções mais expressivas no início de 2021. Em abril, 10% da população dessas nações já estava totalmente imunizada. Os países de renda média-baixa só chegaram a essa cobertura em setembro, enquanto os de renda baixa ainda não a alcançaram.

Além das mortes causadas pela doença nas nações pobres, a demora para controlar a pandemia nesses países aumenta a possibilidade do surgimento de variantes do vírus que podem ameaçar os esforços globais de contenção. A desigualdade vacinal é um ponto criticado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que aponta para a concentração da produção e da compra de vacinas por um grupo pequeno de países.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.