85,3% da energia no mundo ainda vem de fontes poluentes

No Brasil, geração por meio de renováveis, como hidrelétrica, eólica, solar e outras, respondem por 53,8% do consumo primário

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Nos últimos 40 anos, a geração de energia primária a partir de fontes renováveis aumentou 383,4% em todo o mundo. Em 1979, essas fontes somavam 4,8 mil TWh e representavam 5,5% da matriz de consumo mundial, enquanto em 2019 elas atingiram um nível de 18,5 mil TWh, ou 10,7% do total.

Gráfico de área que mostra o consumo de energia primária no mundo desde 1800 a 2019, mais de 85% é fóssil

A energia de fontes hidrelétricas, eólicas, solares, biocombustíveis e outras, como a geotérmica, gera um baixo saldo de carbono, ou seja, contribui pouco para o agravamento do efeito estufa. A energia nuclear (4,0% do total consumido no mundo) também se enquadra nesse critério, mas ela não é renovável, já que depende de um recurso finito.

Ainda que o crescimento da participação das fontes renováveis seja positivo, fontes poluentes e não-renováveis ainda são, com folga, a principal fonte de energia mundial. Atualmente, biomassa tradicional (como a turfa e a madeira de desmatamento), carvão, petróleo e gás natural representam 85,3% das fontes energéticas.

A energia primária inclui, além da eletricidade, o consumo de combustíveis por veículos e fábricas, por exemplo. No Brasil, 53,8% da energia vem de fontes que contribuem para as mudanças climáticas. Esse número é significativamente menor do que a média mundial, já que aqui as hidrelétricas têm um peso maior na geração de energia elétrica (embora sua participação tenha caído na atual crise hídrica).

Continue no tema

NOTA DE ESCLARECIMENTO: o gráfico foi alterado, no dia 03 de novembro de 2021, às 11h15, para evitar ambiguidade entre biomassa tradicional e os biocombustíveis modernos. A categoria "fósseis" foi renomeada para "poluentes" e uma observação foi adicionada.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.