Globo é acusada de yellowface e corta cena de novela

‘Cara e Coragem’ teve sequência tirada às pressas após críticas por ter atores brancos interpretando papéis com estética oriental

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Rede Globo cortou às pressas cenas da novela "Cara e Coragem" que iriam ao ar nesta sexta-feira (5) após ser acusada de yellowface, ou seja, quando personagens orientais são representados por atores brancos. A prática é similar à blackface, que é quando brancos interpretam personagens negros.

    Na trama, os atores Ana Clara e Bruno de Luca fariam uma participação ao lado de Pat (personagem de Paolla Oliveira) e Moa (Marcelo Serrado), gravando um comercial fictício com set inspirado na cultura chinesa. Os personagens Pat e Moa são dublês. Na cena cortada, atuariam como dublês de Ana Clara e Bruno de Luca, as estrelas do comercial. O quarteto foi caracterizado para o folhetim usando trajes, acessórios, cabelo e maquiagem que remetem à cultura chinesa.

    Quando imagens foram divulgadas pelo Gshow, internautas passaram a rejeitar a ideia de colocar atores brancos para interpretar personagens orientais. A falta de artistas amarelos chamou a atenção dos telespectadores e internautas, que questionaram a escolha do elenco para as cenas da propaganda.

    A gravação começaria a ser exibida na novela na quinta-feira (4) e continuaria no capítulo desta sexta-feira (5).

    A repercussão na internet levantou discussões sobre temas importantes, como racismo, diversidade, orientalismo, representatividade, questões identitárias, reforço de estereótipos, whitewashing – a substituição de pessoas de outras etnias por pessoas brancas em produções culturais – e yellowface.

    Ana Hikari, atriz contratada da emissora e que tem ascendência japonesa, comentou a polêmica em seu perfil no Twitter e aproveitou para compartilhar vídeos e outros conteúdos de ativistas da causa em sua rede social. Ela escreveu, em tom de desabafo, que assim “fica difícil defender” a empresa que trabalha e que sua manifestação não era um ataque pessoal a nenhum ator ou atriz. "Essa questão é muito maior do que uma questão individual”, afirmou.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.