Janones desiste da candidatura ao Planalto e vai apoiar Lula

Deputado mineiro pelo Avante ganhou destaque na greve dos caminhoneiros, em 2018, e tem forte presença nas redes sociais

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O deputado federal André Janones (Avante-MG) oficializou nesta quinta-feira (4), em São Paulo, a desistência de sua candidatura à Presidência da República. Ele fez o anúncio durante uma live com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a quem declarou apoio para as eleições de outubro. O ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), vice na chapa do petista, também participou da reunião, que contou ainda com dirigentes de partidos aliados e integrantes da campanha.

    O então candidato do Avante já vinha indicando que deixaria a disputa em prol de Lula e queria que o Avante se coligasse formalmente à chapa presidencial encabeçada pelo PT, desde que suas propostas fossem encampadas pelo petista. Nos últimos dias, disse que, em troca do apoio, iria colocar duas condições para o ex-presidente: Auxílio Brasil permanente de R$ 600 e mais investimentos no SUS para tratamento de saúde mental. Na conversa entre os dois políticos, ficou acertado também que Janones vai integrar o núcleo de redes sociais da campanha do petista. Ele tem forte presença nas redes.

    “A partir desse momento, [a candidatura] está unificada e passa a ser representada pela candidatura do presidente Lula”,

    André Janones, deputado federal pelo Avante

    Janones é mineiro e tem 38 anos. Antes de entrar para a política, atuava como advogado. Sua primeira disputa eleitoral foi em 2016, quando se candidatou à Prefeitura de Ituiutaba, sua cidade natal, mas não obteve sucesso. Durante a greve dos caminhoneiros, em 2018, ganhou popularidade e despontou como uma liderança que estava ao lado da categoria – ainda que, até onde consta, nunca tenha dirigido um caminhão. Depois deixou o movimento, alegando que era contra ameaças de golpe. Ele chamou muita atenção e fez barulho nas redes sociais, num sucesso meteórico.

    No pleito de 2018, foi o terceiro deputado federal mais votado em Minas Gerais. Destacou-se durante a pandemia por ser autor da emenda que tornou o auxílio emergencial uma ação permanente.

    Em 2022, colocou-se como uma alternativa à polarização protagonizada por Lula, primeiro nas pesquisas de intenção de voto, e pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição. Uma de suas propostas principais é manter um grande programa de renda básica universal. “É preciso manter o fiscal, cortar gastos e privilégios para colocar o dinheiro na mão dos mais pobres porque vai fomentar a economia. Alguns falam em cortar gastos, outros em colocar dinheiro na mão dos pobres. Ninguém une os dois. É o que vamos fazer”, afirmou em entrevista ao portal Poder360.

    Na pesquisa mais recente do Datafolha, divulgada em 28 de julho, Janones somava menos de 2% das intenções de voto, na quarta colocação, atrás de Lula (47%), Bolsonaro (29%) e Ciro Gomes (PDT, com 8%). A senadora Simone Tebet, candidata pelo MDB, marcou 2%. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-01192/2022. O Datafolha ouviu 2.566 eleitores em 183 municípios.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.