Hamilton, F1, FIA e Mercedes rebatem fala racista de Piquet

Em entrevista, ex-piloto brasileiro chamou heptacampeão da Fórmula 1 de 'neguinho' repetidas vezes ao criticá-lo por manobra em corrida. Principais entidades do automobilismo repudiaram a declaração

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Temas

    O heptacampeão mundial de Fórmula 1 Lewis Hamilton se posicionou nesta terça-feira (28) contra a declarações racistas do ex-piloto brasileiro Nelson Piquet, que o chamou de “neguinho” repetidas vezes durante uma entrevista concedida ao jornalista Ricardo Oliveira em novembro de 2021. Apesar de ter sido publicado meses atrás, o vídeo com as falas ganhou tração nos últimos dias.

    “Vamos focar em mudar a mentalidade”, escreveu Hamilton em português em uma postagem no Twitter. É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes e alvo de minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação, completou em outra publicação na mesma rede social.

    A própria Fórmula 1, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e a Mercedes, equipe de Hamilton, repudiaram a fala de Piquet.

    Linguagem discriminatória ou racista é inaceitável de qualquer forma e não deve fazer parte da sociedade. Lewis é um embaixador incrível do nosso esporte e merece respeito, afirmou a F1 em comunicado. “A FIA condena veementemente qualquer linguagem e comportamento racista ou discriminatório, que não tem lugar no esporte ou na sociedade em geral. Expressamos nossa solidariedade com Lewis Hamilton e apoiamos totalmente seu compromisso com a igualdade, diversidade e inclusão no esporte a motor, disse a entidade responsável pelo automobilismo.

    Condenamos nos termos mais fortes qualquer uso de linguagem racista ou discriminatória de qualquer tipo. Lewis liderou os esforços do nosso esporte para combater o racismo e ele é um verdadeiro campeão da diversidade dentro e fora das pistas. Juntos, compartilhamos a visão de um automobilismo diversificado e inclusivo, e este episódio destaca a importância fundamental de continuar lutando por um futuro melhor, posicionou-se a Mercedes

    No momento em que utilizou o termo racista, Piquet estava comparando um acidente entre Hamilton e seu genro, Max Verstappen, piloto da Red Bull, ocorrido em setembro de 2021, com uma batida entre Ayrton Senna e Alain Prost em 1990.

    O neguinho [Lewis Hamilton] meteu o carro e não deixou [desviar]. O Senna não fez isso. O Senna saiu reto. O neguinho meteu o carro e não deixou [Verstappen desviar]. O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro [Verstappen] se fodeu. Fez uma puta sacanagem, declarou o brasileiro, detentor de três títulos mundiais.

    Recentemente, Piquet, que é conhecido por falas polêmicas, tem se inserido no debate público como bolsonarista. Ele chegou, inclusive, a dirigir um carro usado para transportar o presidente no ato de 7 de setembro de 2021, que foi marcado por manifestações golpistas que pediam intervenção militar.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.