Procuradoria extingue grupo que acompanharia caso Bruno e Dom

Equipe que iria monitorar as investigações sobre os assassinatos de indigenista e jornalista foi desfeita um dia depois de ser criada por Augusto Aras

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Procurador-Geral da República, Augusto Aras, voltou atrás e decidiu extinguir a criação de um grupo dentro do Conselho Nacional do Ministério Público para acompanhar a investigação a respeito dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, na Amazônia. O grupo foi desfeito no dia 22 de junho, mas informação só foi divulgada nesta segunda-feira (27).

    Segundo posicionamento da Procuradoria-Geral da República enviado ao portal Poder360, Aras decidiu extinguir o grupo que ele mesmo havia criado em 21 de junho por considerar que não há necessidade de acompanhamento das investigações nesse momento, pois elas já estariam avançadas. De acordo com informações enviadas pelo órgão ao jornal O Globo, o procurador chegou a essa conclusão após averiguar essa situação in loco em uma viagem a Tabatinga, no Amazonas.

    O grupo era composto por nomes com atuação ligada à área indígena: o promotor de Justiça Sérgio Henrique Furtado Coelho, o procurador da República Júlio José Araújo Júnior, o promotor André Paulo dos Santos Pereira e o juiz Luciano Nunes Maia Freire. Eles seriam responsáveis por propor melhorias na atuação do Ministério Público Federal e dos Ministérios Públicos estaduais no que diz respeito aos indígenas.

    Antes de morrer, Bruno Pereira chegou a alertar o Ministério Público Federal e a Polícia Federal sobre criminosos que praticavam atividades ilegais no Vale do Javari, região da Amazônia onde ele e Phillips foram assassinados.

    De acordo com o delegado de Atalaia do Norte, para onde a dupla se locomovia quando foi morta, até o momento, 20 pessoas foram ouvidas pelos agentes da Polícia Federal e da Polícia Civil que atuam no caso. Desse total, 17 são testemunhas e 3, suspeitos. A ideia das autoridades é fazer uma reconstituição do crime até sexta-feira (1º).

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.