4º suspeito de matar Dom e Bruno se entrega à polícia em SP

Gabriel Pereira Dantas foi preso e deve ser encaminhado à Polícia Federal. Restos mortais das vítimas são identificados e serão entregues às famílias

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O quarto suspeito de participar do assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips se entregou à polícia em São Paulo nesta quinta-feira (23). Gabriel Pereira Dantas, de 26 anos, confessou o crime a policiais militares e foi preso no 2º Distrito Policial da cidade. Ele deve ser encaminhado à Polícia Federal, que investiga o caso junto com a polícia do Amazonas.

    Segundo reportagem do portal R7, na delegacia, Dantas disse que pilotou o barco usado por Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado”, para transportar os corpos da dupla assassinada. Depois disso, ele teria fugido da região do Vale do Javari, passando por Santarém (PA), Manaus (AM) e Rondonópolis (MT) até chegar a São Paulo.

    Além de Pelado e Dantas, outras duas pessoas foram presas suspeitas de participar do crime, ocorrido em 5 de junho: Jefferson da Silva Lima e Oseney Oliveira dos Santos, irmão de Pelado. Oseney é o único que nega ter envolvimento nas mortes. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, outras quatro pessoas que teriam ajudado a ocultar os cadáveres já foram identificadas pelos investigadores, mas ainda não estão presas.

    Pelado praticava pesca ilegal no Vale do Javari, atividade que era combatida por Bruno Pereira. Ele foi preso em 8 de junho e confessou o crime alguns dias depois. No entanto, em depoimentos mais recentes, ele mudou sua versão e culpou somente Jefferson pelo assassinato. No dia 15, as autoridades levaram Pelado até o local da busca para que identificasse a vala onde os corpos haviam sido enterrados. Os cadáveres foram encaminhados para perícia em Brasília.

    Na quarta-feira (22), a Polícia Federal comunicou que concluiu a perícia de genética forense e identificou Dom e Bruno. Os restos mortais serão transportados de avião para serem entregues às famílias. Os trabalhos dos peritos do Instituto Nacional de Criminalística continuarão nos próximos dias concentrados na análise de outros vestígios do caso, disse a PF em nota.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.