Conta de luz: Aneel aumenta em até 63,7% valor da taxa extra

Reajuste é aplicado às contas de luz quando há aumento no custo de produção de energia no país. Tarifas passam a valer um julho

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta terça-feira (21) o reajuste nos valores das bandeiras tarifárias das contas de luz. As novas taxas entram em vigor em 1º de julho e seguem válidas até meados de 2023. A cobrança extra é aplicada sempre que há um aumento do custo de produção de energia elétrica no país. Desde 16 de abril, está em vigor a bandeira verde, quando não há cobrança extra aplicada à tarifa de luz.

    Pela proposta aprovada pela agência, o maior reajuste é no valor da bandeira vermelha patamar 1, que tem um acréscimo de 63,7%, enquanto a vermelha patamar 2 tem alta de 3,2%. A bandeira amarela sobe 59,5%. Já a bandeira verde segue sem cobrança. Com o reajuste, os novos valores das bandeiras são:

    • : continua sem cobrança adicional

    • : de R$ 1,874 para R$ 2,989 a cada 100 kWh consumidos (+ 59,5%)

    • : de R$ 3,971 para R$ 6,500 a cada 100 kWh consumidos (+ 63,7%)

    • : de R$ 9,492 para R$ 9,795 a cada 100 kWh consumidos (+3,2%)

    Apesar dos aumentos, a agência destacou que os patamares seguem abaixo da chamada bandeira de escassez hídrica, adotada entre agosto de 2021 e abril de 2022 para arcar com os altos custos de geração de energia em função da crise energética vivenciada pelo país. Na época, o patamar extraordinário resultou na cobrança extra de R$ 14,20 para cada 100 kWh consumidos.

    Segundo previsões da agência, a conta de luz dos consumidores deve permanecer com a bandeira verde até o final de 2022, em função da recuperação dos reservatórios das hidrelétricas. Dependendo do custo para produção de energia, a cobrança pode voltar a partir de 2023.

    As bandeiras tarifárias foram criadas em 2015 pela Aneel, que mensalmente divulga a bandeira tarifária em vigor. A revisão dos valores ocorre anualmente, em meados do ano.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.