Acesso à internet cresce e chega a 73% na área rural do país

Pesquisa mostra que crise sanitária da covid-19 ampliou conectividade entre brasileiros mais pobres. Dados apontam presença dominante do celular nas formas de acesso

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O acesso à internet chegou a 73% dos moradores de áreas rurais brasileiras durante a pandemia da covid-19. O dado foi apresentado pela pesquisa TIC Domicílios 2021, divulgada nesta terça-feira (21) pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação). O estudo aponta os indicadores mais recentes sobre o acesso e o uso das tecnologias de informação e comunicação no país.

A pesquisa, que analisa dados por região, classe social e renda familiar, mostra que, em 2021, 81% da população de 10 anos ou mais havia usado a internet nos três meses anteriores ao momento da pesquisa, o que corresponde a 148 milhões de pessoas.

Em 2019, antes das medidas de isolamento social impostas pela pandemia, 71% dos domicílios tinham acesso à internet no Brasil. A taxa cresceu para 82% em 2021. As conexões mais estáveis e de maior velocidade, feitas por cabo ou fibra óptica, estão presentes em 39% dos domicílios no campo. Nas áreas urbanas, o índice é de 64%.

A pesquisa revelou, ainda, que o aparelho celular é dominante em todas as classes sociais, sendo a principal forma de conexão. O acesso à rede feito exclusivamente pelo celular atinge o patamar de 89% na classe D/E. Já entre usuários da classe A, o percentual dos que usam o dispositivo móvel somente para acessar a internet é de 32%. O uso da rede pelo computador é restrito a 22% da classe D/E, frente a 93% da camada A/B.

A pesquisa foi realizada com um amostra de 23.950 casas e 21.011 pessoas. Segundo a TIC Domicílios, as entrevistas ocorreram de forma presencial entre outubro de 2021 e março de 2022. Em 2020, devido à covid-19, a edição teve sua metodologia adaptada, com entrevistas por telefone. Em função disso, para uma melhor visualização dos resultados, os pesquisadores recomendam que a base de comparação seja 2019.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.