Petro é eleito e se torna o 1º presidente de esquerda da Colômbia

Ex-guerrilheiro e ex-prefeito da capital Bogotá rompe hegemonia da direita. É também a primeira vez o país tem uma mulher negra como vice-presidente

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Gustavo Petro, 62, foi eleito presidente da Colômbia neste domingo (19). Ele será o primeiro presidente de esquerda da história do país. Petro concorria no segundo turno das eleições presidenciais contra o populista Rodolfo Hernández, 77.

    A Colômbia também terá pela primeira vez uma mulher negra como vice-presidente. Francia Márquez, 40, é advogada e ativista ambiental, integrante da coalizão de esquerda Pacto Histórico. Ela ficou conhecida pela luta contra a mineração ilegal e possui amplo apoio do eleitorado jovem.

    Gustavo Petro foi membro do M-19 (Movimento 19 de Abril), também chamado na Colômbia de “El Eme” (o “M”), uma guerrilha urbana de esquerda que participou da guerra civil colombiana entre 1974 e 1990. Graduado em economia, em 1977 iniciou militância no movimento guerrilheiro e ingressou na política como vereador. Em 1985, foi preso por porte ilegal de armas e conspiração e libertado em 1987. Foi deputado federal por dois mandatos e em 2006 foi eleito senador com a maior votação do país. Já concorreu à Presidência em 2009 e 2018. Foi prefeito de Bogotá de 2012 a 2015, fazendo uma gestão marcada por políticas específicas para as mulheres e a comunidades LGBTI+, além de implementar medidas de combate às armas de fogo e a violência urbana.

    Entre as propostas de campanha de Petro estão reformas econômicas, como aumento dos impostos dos colombianos mais ricos, e sociais para combater a pobreza, a desigualdade e a exclusão que afetam milhões.

    O novo presidente assume em 7 de agosto um país preocupado com a inflação de 9% e com o desemprego, na casa dos 11%. Também há na Colômbia forte insatisfação popular, reflexo dos protestos de 2021 realizados após uma reforma tributária do governo do então presidente Iván Duque. Ela desencadeou seis dias de manifestações que deixaram pelo menos 19 mortos.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.