Homem é morto a tiros em tumulto na região da cracolândia em SP

Morador de rua de 32 anos foi alvejado no peito em confusão generalizada durante ação policial para dispersar as proximidades da praça Princesa Isabel

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Raimundo Nonato Rodrigues Fonseca Júnior, de 32 anos, morador de albergues para desabrigados na região central de São Paulo, foi morto com um tiro no peito na noite desta quinta-feira (12), por volta das 21h, na Avenida Rio Branco, região central de São Paulo.

    Imagens captadas com celular por moradores da região mostram homens em roupas civis, não identificados, disparando armas de fogo no local do incidente, na mesma noite. A polícia executava uma operação de dispersão na via. Até a manhã seguinte, não havia confirmação sobre de onde partiram os tiros que mataram Fonseca Júnior, nem se policiais foram responsáveis pelo incidente.

    O local onde ele foi morto tornou-se um dos principais pontos de passagem e destino de moradores de rua que antes estavam concentrados na praça Princesa Isabel, então epicentro da chamada cracolândia, ponto de venda e consumo de crack na capital paulistana.

    Desde quarta-feira (13), 650 policiais participam de uma operação de desocupação da Praça Princesa Isabel. Dispersados, os moradores de rua passaram a vagar e buscar novos pontos para se instalar nos arredores, como as ruas Triunfo e dos Gusmões, perto de onde Fonseca foi morto, a esquina da rua Helvetia com a avenida São João e a praça Marechal Dedodoro.

    A operação policial na Praça Princesa Isabel prendeu 21 pessoas. Comerciantes das áreas paras quais o chamado fluxo de dependentes migrou têm trabalhado com as portas parcialmente fechadas, temendo novos episódios de violência.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.