Cientistas divulgam imagem de buraco negro na Via Láctea

Corpo celeste chamado de Sagitário A* está a uma distância de mais de 26 mil anos-luz da Terra e é 4 milhões de vezes mais massivo que o Sol

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    ESTAVA ERRADO: A imagem que ilustrava a versão anterior deste texto era apontada, incorretamente, como sendo do buraco negro Sagitário A*. Na verdade, a imagem era do buraco negro Messier 87, capturada em 2019. A imagem correta foi incluída no material às 9h40 do dia 13 de maio de 2022.

    Seis dias após a Nasa divulgar sons de um buraco negro do aglomerado de galáxias Perseu, os cientistas do projeto Event Horizon Telescope revelaram nesta quinta-feira (12) a primeira foto do buraco negro Sagitário A*. O corpo celeste está localizado na constelação de Sagitário, no centro da Via Láctea, a uma distância de mais de 26 mil anos-luz da Terra.

    Buracos negros são corpos do cosmos com uma atração gravitacional tão forte que acabam sugando tudo que se aproxima deles. O anúncio da captação da primeira imagem do Sagitário A* ocorreu em coletivas de imprensa simultâneas ao redor do mundo, organizadas pela Event Horizon nos Estados Unidos, no Chile, na Alemanha, no México, no Japão, na China e em Taiwan. Os resultados das observações foram publicados também nesta quinta na revista científica The Astrophysical Jorunal Letters.

    “Estas observações sem precedentes aumentaram grandemente o nosso conhecimento do que acontece mesmo no centro da nossa galáxia e nos dão novas pistas sobre como é que estes buracos negros gigantes interagem com o meio que os rodeia", disse o cientista Geoffrey Bower, do Instituto de Astronomia e Astrofísica da Academia Sínica, em Taipei, capital de Taiwan.

    Esta é a segunda imagem de um buraco negro registrada pela Event Horizon. A primeira foi do Messier 87, capturada em 2019. Embora localizado em uma galáxia diferente daquela na qual a Terra se encontra, o Messier foi mais fácil de ser observado, uma vez que seu aspecto se altera com menos frequência que o Sagitário A*. “Ao longo de uma noite de observação, ele está mudando enquanto você está coletando dados”, disse Sheperd Doeleman, astrônomo do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian.

    A nova meta dos cientistas é expandir a rede de observação e produzir um vídeo do buraco negro Sagitário A*.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.