Um terço dos homens do país diz apoiar feminismo, segundo pesquisa

Realizado pelo Instituto Ideia e encomendado pela revista GQ, levantamento entrevistou brasileiros sobre temas como autoestima e comportamento

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Cerca de um terço dos homens brasileiros (34%) diz apoiar o feminismo, segundo pesquisa do Instituto Ideia encomendada pela revista GQ Brasil e divulgada nesta quarta-feira (11). O movimento pela igualdade entre homens e mulheres e o fim das violências de gênero foi rejeitado por 44% dos respondentes, enquanto 23% disseram não saber responder.

    O levantamento foi feito com questionários apresentados digitalmente a 663 homens com mais de 18 anos, de todas as regiões do país. A amostragem foi selecionada a partir de dados do Censo de 2010 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2021.

    A pesquisa escancara o óbvio (nenhuma novidade para as mulheres) com dados inéditos: o brasileiro (médio) é machista, afirma Mauricio Moura, presidente do Instituto Ideia, em análise à GQ Brasil.

    Na distribuição etária, os homens de 18 a 24 anos foram considerados o grupo mais machista – que menos apoia o feminismo, e mais cobra a virgindade da mulher. Também é o grupo que mais deseja possuir uma arma de fogo. Ao mesmo tempo, é o que menos se interessa pela atividade sexual – numa escala de 0 a 10 para avaliar qual é a importância do sexo na vida desses homens, o grupo foi o que mais deu notas 0 e 1 na importância, colocando-a como algo dispensável ou que não faz falta.

    O levantamento também indica que a autoestima dos homens brasileiros está em dia. Apenas 3% dos homens se consideram feios, enquanto 47% se dizem bonitos e 44% se veem como “medianos”. Outros 6% afirmam não ter uma opinião formada.

    Quando questionados sobre quem é o homem mais admirado de suas vidas, 7% responderam com eu mesmo”. Certamente esses quase 8 milhões de brasileiros que se autoidolatram não têm problema de autoestima, muito menos gastam dinheiro com terapia. Aliás, somente 16% dizem já ter feito alguma sessão. A saúde mental, portanto, carece de atenção nesse universo masculino”, disse Moura.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.