IPCA tem o maior índice para abril desde 1996

Alta foi de 1,06%, puxada por aumentos na alimentação e nos transportes. Acumulado de 12 meses é de 12,13%

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), índice que aponta a variação na inflação, ficou em 1,06% em abril, após alta de 1,62% e março, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (11). É o pior índice para o mês desde 1996, quando o aumento foi de 1,26%. No acumulado de 12 meses até abril, o IPCA teve alta de 12,13%. Nos 12 meses imediatamente anteriores, a alta foi de 11,30%.

    A alta foi puxada pelos setores de alimentação e transportes - que somaram 80% do índice. Os preços de alimentos e bebidas subiram 2,06%. Já os valores relativos a transportes aumentaram 1,91%, catapultados pelos aumentos dos preços dos combustíveis.

    O aumento de preços se espalha como fenômeno mundial, por fatores que vão desde a guerra na Ucrânia até as disrupções nas cadeias globais de produção.

    Para o cálculo do IPCA do mês, o IBGE comparou os preços coletados entre 31 de março e 29 de abril de 2022 com os preços que eram vigentes entre 26 de fevereiro e 30 de março de 2022.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.