Governo reduz ou zera imposto de importação de 11 produtos

Novas alíquotas, anunciadas como medida para tentar conter a inflação, valem até dezembro de 2022 e geram perda de R$ 750 milhões em arrecadação. Lista inclui itens alimentícios, fungicida agrícola e barras de aço

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Ministério da Economia, por meio do Comitê Executivo da Camex (Câmara de Comércio Exterior), anunciou nesta quarta-feira (11) que vai zerar ou reduzir o imposto de importação de 11 produtos dos setores alimentício e da construção civil. A justificativa do governo é tentar controlar a inflação, que em abril registrou a maior alta para o mês desde 1996.

    Segundo a secretária-executiva da Camex, Ana Paula Repeza, as novas alíquotas entram em vigor nesta quinta-feira (12) e valem até 31 de dezembro de 2022. Ela disse que os produtos escolhidos pelo governo apresentaram "grande alta de preço" e afetam o custo de vida das camadas mais pobres da população.

    Os artigos que integram a lista são:

    • Carnes bovinas desossadas e congeladas: alíquota passou de 10,8% a 0%
    • Comestíveis de galos/galinhas, pedaços, miudezas e congelados: de 9% a 0%
    • Farinha de trigo: de 10,8% a 0%
    • Outros trigos e misturas de trigo com centeio: de 9% a 0%
    • Bolachas e biscoitos: de 16,2% a 0%
    • Produtos de padaria, pastelaria e indústrias de biscoitos: de 16,2% a 0%
    • Fio-máquina de ferro ou aço: de 10,8% a 4%
    • Barras de ferro ou aço não ligado: de 10,8% a 4%
    • Ácido sulfúrico: de 3,6% a 0%
    • Mancozebe técnico (tipo de fungicida agrícola): de 12,6% a 4%
    • Milho em grão: de 7,2% a 0%

    “Essas medidas não revertem inflação, mas empresários pensam duas vezes antes de aumentar preços”, afirmou o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, em entrevista logo após o anúncio. De acordo com o Ministério da Economia, a redução das tarifas de importação até o fim de 2022, ano eleitoral, vai gerar uma perda de arrecadação de cerca de R$ 750 milhões.

    Pelo fato de o imposto de importação ser um imposto regulatório, ou seja, sem a finalidade arrecadatória, não há obrigatoriedade de compensação da perda de arrecadação. De acordo com o governo, essa é uma exceção da Lei de Responsabilidade Fiscal. Ações de empresas de siderurgia sofreram queda na bolsa brasileira na quarta, com a expectativa do anúncio da redução da tarifa sobre itens de aço, que facilita a entrada de produtos do exterior. O setor de construção civil, por outro lado, comemorou a medida.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.