Bolsonaro faz aparições breves em atos pró-governo e contra STF

Na capital federal, presidente cumprimentou apoiadores mas não discursou em manifestação, que tinha faixas pedindo a destituição de ministros do Supremo. Em São Paulo, fez fala rápida por meio de vídeo

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) fez uma ida rápida na manhã deste domingo (1°) no ato em Brasília organizado por seus apoiadores em defesa do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) e contra a atuação do Supremo Tribunal Federal. O presidente andou por cerca de dez minutos pela Alameda dos Estados, onde se concentrava a maior parte dos participantes. Ele acenou, tirou fotos e conversou com alguns apoiadores, mas não discursou no carro de som e em seguida retornou ao Palácio do Alvorada, residência oficial da Presidência.

    No ato, que não chegou a encher o espaço destinado ao evento, manifestantes fizeram discursos pedindo o impeachment do ministro do Supremo Alexandre de Moraes, relator de inquéritos que miram bolsonaristas por ameaças às instituições democráticas. Faixas defendiam a destituição de todos ministros do tribunal. Num vídeo divulgado em canais bolsonaristas no Telegram, Bolsonaro disse que cumprimentava os manifestantes presentes em um ato “pacífico, a favor da democracia e da Constituição”.

    À tarde, o presidente fez uma fala por vídeo durante o ato realizado por bolsonaristas na avenida Paulista, em São Paulo. Ele prometeu "lealdade" a apoiadores e enalteceu "Deus, pátria e a família" num discurso rápido, segundo o jornal Folha de S.Paulo. Outras cidades como Belo Horizonte, Goiânia, Florianópolis, Salvador e Rio de Janeiro também registraram atos pró-governo.

    No sábado (30), em evento em Uberaba (MG), Bolsonaro encorajou as pessoas a comparecerem às manifestações, cuja pauta é "a favor da liberdade", contra o Supremo e de apoio a Silveira, condenado no dia 20 de abril pelo tribunal a oito anos e nove meses de prisão por ataques e incitação de violência ao tribunal. Ele teve a pena de detenção anulada por um perdão de Bolsonaro, mas questões como sua inelegibilidade estão em aberto. O episódio foi seguido por investidas do presidente ao sistema eleitoral e reabriu uma crise entre Poderes.

    Silveira esteve num ato pró-Bolsonaro no em Niterói, no Rio, na manhã deste domingo, apesar de ordens do Supremo (que não foram afetadas pelo perdão) proibirem o deputado de participar de eventos públicos. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o deputado discursou brevemente. Disse que ficou "muito tempo calado" e que "não tem nada que mais preocupa o presidente Bolsonaro do que livrar o Brasil do socialismo que vem avançando". A defesa do parlamentar pediu neste domingo o arquivamento do processo no qual ele foi condenado.

    Em paralelo às manifestações dos apoiadores do governo, centrais sindicais promovem eventos em comemoração ao 1° de maio, que ocorrem tradicionalmente no feriado para chamar atenção para condições de trabalho. Em São Paulo, o ato na Praça Charles Miller também é de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que discursou no evento.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.