Mendonça se explica após críticas de bolsonaristas a voto no STF

Indicado por Bolsonaro ao Supremo, ministro diz que votou ‘como cristão e como jurista’ ao condenar deputado Daniel Silveira, em atitude que rendeu reclamações de apoiadores do presidente

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O ministro do Supremo Tribunal Federal André Mendonça respondeu nesta quinta-feira (21) a críticas sobre o seu voto a favor da condenação do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). Na quarta (20), o parlamentar foi condenado a oito anos e nove meses de prisão, com início em regime fechado, por estimular ações antidemocráticas e ataques a ministros e a instituições como o próprio Supremo.

    Indicado por Jair Bolsonaro (PL) à corte, Mendonça foi alvo de reclamações nas redes sociais de parlamentares aliados ao presidente. Em reação, o ministro escreveu em sua conta no Twitter que, como cristão e como jurista, não podia endossar comportamentos que incitam à violência. “É preciso se separar o joio do trigo, sob pena de o trigo pagar pelo joio. Mesmo podendo não ser compreendido, tenho convicção de que fiz o correto”, afirmou.

    Mendonça assumiu a cadeira no Supremo em dezembro de 2021 após atuar como advogado-geral da União e ministro da Justiça de Bolsonaro. Sua indicação foi o cumprimento de uma promessa que o presidente fez ao eleitorado religioso e conservador, e sua breve atuação no tribunal dava sinais de alinhamento ao governo que o indicou. Bolsonaristas esperavam “lealdade” no caso de Silveira, e se decepcionaram.

    “Quem diria que Kassio Nunes acertaria e André Mendonça erraria tanto”, escreveu a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP). O também deputado Carlos Jordy (PL-RJ) chamou o voto de terrivelmente decepcionante!”, em referência à expressão usada por Bolsonaro para descrever Mendonça, “terrivelmente evangélico”.

    O termo também foi usado pelo pastor Silas Malafaia, que escreveu nesta quinta que está “terrivelmente decepcionado com o ministro André Mendonça”. Ele complementou dizendo que Mendonça se rendeu “ao ditador da toga”, em referência ao ministro Alexandre de Moraes, e “envergonha o povo evangélico”. O deputado e pastor evangélico Marco Feliciano (PL-SP) seguiu a mesma linha: “estou terrivelmente desapontado.

    No julgamento, oito ministros acompanharam integralmente o relator da ação, Alexandre de Moraes, que pedia a condenação de Silveira pelos crimes de coação no curso do processo e incitação de ações para impedir o livre exercício dos Poderes da República. André Mendonça votou pela condenação de Silveira apenas pelo crime de coação, e divergiu de Moraes em relação à pena: ele defendeu que o parlamentar fosse condenado a dois anos e quatro meses, em regime aberto. Kassio Nunes Marques, que também foi indicado ao Supremo por Bolsonaro, foi o único que votou pela absolvição de Silveira. Ele classificou as declarações de condenação como meras “bravatas”, encampadas pela imunidade parlamentar.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.