Bolsonaro desafia Alexandre de Moraes e volta a criticar TSE

Presidente reiterou ataques ao processo eleitoral em entrevista à CNN Brasil: ‘ô, Alexandre, eu estou desconfiado. Vai me prender? Vai cassar meu registro?’

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a criticar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e desafiou o ministro Alexandre de Moraes, que vai estar na presidência do órgão quando ocorrerem as eleições de 2022. As declarações foram dadas por Bolsonaro em uma entrevista à CNN Brasil concedida durante uma visita à cidade de Guarujá, na baixada santista, no sábado (16).

    O grande problema que a gente tem é o Tribunal Superior Eleitoral. Virou lá um grupo fechado, TSE futebol clube. O que se fala é lei, disse Bolsonaro a respeito do órgão responsável por apurar e validar os resultados das eleições. O presidente vem criticando a corte eleitoral por ter fechado um acordo com o WhatsApp em que a plataforma se comprometeu a só lançar no Brasil em 2023, após as eleições, um recurso que permite a criação de grupos com milhares de pessoas.

    Há poucas semanas o Alexandre de Moraes falou que quem desconfiar do processo eleitoral vai ser cassado e preso. Ô, Alexandre, eu estou desconfiado. Vai me prender? Vai cassar meu registro? Que democracia é essa? Nós podemos desconfiar de tudo, quando desconfia a gente aperfeiçoa, declarou sobre o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) que é relator de inquéritos que investigam aliados, familiares e o próprio presidente.

    Moraes afirmou em 2021 que não vai tolerar a disseminação de notícias falsas no pleito de 2022. “Se houver repetição do que foi feito em 2018, o registro será cassado, e as pessoas que assim fizerem irão para a cadeia, por atentar contra as instituições e a democracia”, declarou em outubro de 2021. Bolsonaro antagoniza abertamente com o ministro desde abril de 2020, quando ele barrou uma indicação presidencial para o posto de diretor-geral da Polícia Federal.

    O presidente, que faz ataques recorrentes ao sistema eleitoral, diz sofrer uma perseguição de Moraes, a quem já chamou de “canalha. Na mesma entrevista à CNN, Bolsonaro afirmou que “todas as medidas adotadas pelo TSE são para prejudicar a mim e beneficiar o lado de lá”, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seu principal adversário na disputa presidencial.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.