Petrobras reduz preço do gás de cozinha para distribuidoras

Valor terá diminuição de 5,58% a partir deste sábado (9). Impacto para consumidor final é incerto, pois repasse depende de cada revendedor

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Petrobras vai diminuir o preço do gás de cozinha vendido às distribuidoras a partir de sábado (9). De acordo com o anúncio feito pela estatal nesta sexta-feira (8), o botijão de 13 kg terá preço médio de R$ 54,94, após uma redução de 5,58%. O valor médio por quilo vai passar de R$ 4,48 para R$ 4,23.

    Segundo a empresa, a queda nas cotações internacionais do barril de petróleo e a taxa de câmbio justificam a redução. Não é possível afirmar se e como a diminuição vai chegar ao consumidor final, já que o repasse depende de cada revendedor. Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis feita entre 27 de março e 2 de abril mostra que, para os consumidores finais, o botijão de 13 kg custa em média R$ 113,63 no país.

    O último reajuste no preço do gás vendido pela Petrobras às distribuidoras havia sido feito no dia 11 de março. Na época, o preço médio de venda do produto às distribuidoras foi reajustado em 16,1%, passando de R$ 3,86 para R$ 4,48 por kg — o equivalente a R$ 58,21 por 13 kg.

    O anúncio desta sexta (8) ocorreu no mesmo dia em que o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou a inflação de 1,62% para março, a maior para o mês desde 1994. O botijão de gás foi um dos produtos que puxaram o aumento inflacionário. Em março, houve uma alta de 6,5% no preço pago pelo consumidor final. Quando levado em consideração o período dos últimos 12 meses, a alta acumulada é de 29,56%.

    A mudança no preço do gás de cozinha ocorre também em meio a um processo de troca no comando da Petrobras. O governo federal indicou na quarta-feira (6) José Mauro Coelho para a presidência da estatal, depois de o indicado anterior, Adriano Pires, ter desistido de assumir o cargo. Coelho trabalhou na Empresa de Pesquisa Energética e no Ministério de Minas e Energia. Anteriormente, ele já chegou a defender a política de alinhamento dos preços estipulados pela Petrobras com os índices do mercado internacional.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.