Cracolândia se dispersa e tráfico busca novo local para fluxo

Região do centro de São Paulo conhecida pela concentração de usuários e traficantes de drogas foi esvaziada no fim de semana. Movimentação é resultado de ações da polícia, segundo a prefeitura

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    As ruas da Cracolândia, região no centro histórico de São Paulo conhecida pela presença de usuários e traficantes de drogas, estão vazias ao menos desde sábado (19) e domingo (20), de acordo com informações dos jornais Estadão e Folha de S.Paulo. A concentração no local — o dito “fluxo” se dispersou por outros pontos da capital.

    A movimentação teria acontecido por determinação do crime organizado, segundo afirmou a Polícia Civil à Folha. Alexis Vargas, secretário-executivo municipal de Projetos Estratégicos, disse ao jornal que a decisão é uma resposta a ações de segurança recentes na região, feitas no âmbito da Operação Caronte, deflagrada em junho de 2021. Desde então, 92 pessoas foram presas sob suspeita de tráfico de drogas na Cracolândia.

    As vias próximas à estação da Luz, que antes recebiam fluxo médio de mais de 500 pessoas por dia, segundo a Prefeitura, ficaram praticamente desertas. Vargas afirma que a polícia está combatendo tentativas do tráfico de instalar nova concentração em outro local. “Um contingente foi para a praça Princesa Isabel, mas o local não chega a ter 100 pessoas. (...) Estamos monitorando esse e outros pontos, como o túnel que liga a avenida Paulista com a Rebouças. A gente não vai deixar eles se acomodarem em nenhum outro ponto”, disse o secretário ao Estadão.

    O padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese de São Paulo, demonstrou preocupação com o “desaparecimento” dos usuários da região. “Não ficou claro até agora o que foi que aconteceu”, disse ao site G1. “Está sendo difícil localizar os que estavam em tratamento, os que tinham procedimentos marcados, os que tinham consulta... e a própria relação humana: onde eles estão?”.

    O esvaziamento da região acontece a poucos dias da inauguração de uma nova unidade do hospital estadual Pérola Byington, na alameda Glete. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez uma visita ao prédio no sábado (19). Em maio de 2017, então prefeito de São Paulo, Doria chegou a anunciar o fim da Cracolândia após uma operação policial que retirou a população em situação de rua da área. Mas o fluxo em pouco tempo retornou ao local.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.