CEO do Telegram pede desculpas e cita problema com email

Pavel Durov afirma que novo endereço foi enviado para o Supremo, mas tribunal estaria usando um antigo, o que teria impedido plataforma de receber e cumprir determinações judiciais. Aplicativo foi bloqueado

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O fundador e CEO do Telegram, Pavel Durov, afirmou na sexta-feira (18) que um problema na troca de emails impediu a plataforma de receber determinações judicias do Brasil. O empresário russo pediu ainda que a ordem de bloqueio do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, seja adiada por alguns dias. Moraes deu 72 horas para que as operadoras nacionais barrem o aplicativo de mensagens.

    Segundo Durov, após cumprir uma decisão judicial em fevereiro para bloquear três perfis ligados ao blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, o Telegram compartilhou com o Supremo um endereço de email para o envio de futuras solicitações. Mas o tribunal, segundo ele, enviou os pedidos para o endereço errado e, como resultado, não obteve resposta do aplicativo.

    Em nome de nossa equipe, peço desculpas ao Supremo Tribunal Federal por nossa negligência. Definitivamente, poderíamos ter feito um trabalho melhor, escreveu Durov em seu canal no aplicativo. “Perdemos sua decisão no início de março que continha uma solicitação de remoção de acompanhamento. Felizmente, já o encontramos e processamos, entregando hoje outro relatório ao Tribunal, afirmou.

    De acordo com o empresário russo, milhões de brasileiros usam o Telegram para conversar com familiares e amigos. Ele disse que um novo prazo para cumprir a decisão permitirá ao aplicativo indicar um representante no Brasil e criar uma estrutura para lidar com futuros casos urgentes. Estou certo de que, uma vez estabelecido um canal de comunicação confiável, poderemos processar com eficiência as solicitações de remoção de canais públicos que são ilegais no Brasil, afirmou.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.