Rússia e Ucrânia elaboram plano para parar a guerra

Os dois países dizem identificar progresso nas negociações e um plano de cessar-fogo está pronto, diz jornal. Apesar do avanço, ataques em território ucraniano continuam

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    As negociações entre Rússia e Ucrânia avançaram nesta quarta-feira (16). Os dois países discutem um acordo baseado em 15 pontos para parar a guerra, segundo o jornal britânico Financial Times. A resolução inclui um cessar-fogo e a retirada russa do território ucraniano com a condição de que Kiev declare neutralidade e limite suas forças armadas.

    Os russos continuam a exigir que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, não se junte a alianças militares, como a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), que une Estados Unidos e nações europeias, e que a Ucrânia prometa não sediar bases militares nem armazenar armamentos de países estrangeiros em seu território.

    Cumprindo essas exigências, o país poderia manter suas forças armadas para se defender de agressões, mas que teria que se declarar neutro em outros conflitos. Como modelo de neutralidade estão a Suécia e a Áustria, segundo Dmitry Peskov, secretário de imprensa e porta-voz do Kremlim, disse ao Financial Times.

    A Rússia também quer que a Ucrânia aceite a independência dos territórios separatistas de Donetsk e Luhansk, situados na região de Donbass, e reconheça a soberania russa sobre a Crimeia, que foi anexada em 2014. Os ucranianos, por sua vez, demandam a retirada das tropas invasoras de todo território conquistado por elas desde o início da ofensiva, em 24 de fevereiro.

    Tanto Kiev quanto Moscou disseram que houve progresso nas negociações, mas os oficiais ucranianos permanecem céticos sobre Vladimir Putin estar totalmente comprometido com a paz, e desconfiam que a Rússia use as conversações para ganhar tempo, reagrupar suas forças e dar prosseguimento à ofensiva. Os ataques russos não cessaram durante as reuniões entre as comitivas dos dois países. Nesta quarta-feira, a embaixada dos Estados Unidos na capital da Ucrânia disse que as forças russas mataram a tiros 10 pessoas que estavam fazendo fila para receberem pão na cidade ucraniana de Chernihiv. O Ministério da Defesa da Rússia negou o relato.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.