Morte por covid entre não vacinados é 26 vezes maior em SP

Levantamento da Secretaria Estadual de Saúde analisou 8.283 óbitos no estado entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022, período de prevalência da variante ômicron

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Estudo divulgado nesta segunda-feira (14) pela Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo mostra que o número de mortes por covid-19 entre pessoas não vacinadas no estado foi 26 vezes maior do que entre as pessoas com esquema vacinal completo (duas doses ou dose única). A pesquisa foi realizada com a análise de 8.283 mortes inseridas pelos 645 municípios do estado no sistema Sivep-Gripe entre os dias 5 de dezembro de 2021 e 26 de fevereiro de 2022.

    A análise aponta que o número de mortes entre não vacinados foi de 332 por 100 mil habitantes. Entre pessoas com o esquema vacinal completo, os óbitos caíram para 13 a cada 100 mil. Entre pessoas que tomaram apenas uma dose dos imunizantes contra a covid-19, são 22 mortes a cada 100 mil habitantes. Ainda de acordo com o estudo, o número de pessoas sem nenhuma dose no estado é de 717 mil pessoas.

    O período analisado pelo estudo corresponde ao da prevalência da variante ômicron no Brasil. Identificada pela primeira vez dentro do país no fim de novembro de 2021, a cepa, mais transmissível, provocou uma nova alta de casos de covid-19 em todo o país a partir de janeiro de 2022. As infecções desaceleraram em meados de fevereiro.

    O estudo considerou a população elegível para a vacinação em São Paulo, que é cerca de 43,2 milhões de pessoas. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, 90% da população elegível está vacinada com as duas doses. O impacto da circulação da ômicron foi reduzido por causa desse alto percentual, disse ao G1 a coordenadora do PEI (Programa Estadual de Imunização), Regiane de Paula. “Os números comprovam que São Paulo fez a escolha certa em apostar na ciência e na vacinação como as principais medidas de enfrentamento da pandemia de covid-19”, falou.

    Outros estudos mostram o peso dos não vacinados na sobrecarga do sistema hospitalar. Em janeiro, o Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, apontou que, entre os internados no hospital com suspeita ou confirmação de covid-19, 76% não haviam tomado nenhuma dose da vacina ou estavam sem completar o esquema vacinal. No Brasil, segundo dados da plataforma Our World in Data, 74,2% da população está vacinada com duas doses e 33% receberam a dose de reforço.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.