Rússia já prendeu 12 mil manifestantes contrários à guerra, diz ONG

Números foram divulgados pela OVD-info, que atua na área de direitos humanos. Protestos já foram registrados em 49 cidades russas. Autoridades locais dizem que número de detidos é menor

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Ao longo dos 11 dias da guerra contra a Ucrânia, 12.843 pessoas foram presas na Rússia em protestos que se opõe à ofensiva de Vladimir Putin. Os dados foram divulgados neste domingo (6) pela OVD-Info, ONG que atua na proteção dos direitos humanos e que visa combater perseguição política.

    De acordo com a organização, os atos se espalharam por 56 cidades na Rússia, e ocorrem sob forte repressão da polícia. Na Rússia, manifestações públicas precisam ser autorizadas pelo governo. O Ministério do Interior havia alertado que atos realizados sem aviso prévio seriam reprimidos, e os organizadores, presos.

    O ministério sustenta que, até agora, o número de presos em protestos é bem menor: 4.300 manifestantes foram detidos, sendo 1.700 detenções aconteceram na capital, Moscou, 750 em São Petersburgo e mais de 1.000 em outras cidades.

    Ativistas de oposição ao presidente russo têm divulgado vídeos em redes sociais que registram o momento das detenções, com pessoas gritando frases como: não à guerra, enquanto são levadas pela polícia.

    Além da Rússia, vários países têm registrado atos contra a guerra na Ucrânia. No sábado (5), milhares se reuniram em cidades europeias como Londres, Roma, Paris e Zurique, pedindo o fim da invasão.

    Fora a repressão aos protestos, a Rússia limitou acesso a sites estrangeiros (inclusive o da ONG ONV-Info), o que fez veículos como a Bloomberg e a BBC deixarem de operar no país. O Facebook e o Twitter também estão bloqueados no país, além de outras redes com conteúdos considerados “falsos” pelo governo.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.