Sanções equivalem a ‘declaração de guerra’, afirma Putin

Declaração foi feita em reunião com funcionários de empresa aérea. Presidente russo comanda invasão da Ucrânia

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    As sanções econômicas impostas à Rússia por vários países do Ocidente como forma de retaliação à invasão da Ucrânia são uma declaração de guerra”, afirmou neste sábado (5) Vladimir Putin, em reunião com empresários e funcionários da companhia aérea russa Aeroflot, que está com voos internacionais suspensos.

    O encontro foi transmitido ao vivo pela TV Pública do país. Nas justificativas aos funcionários sobre a guerra, Putin falou que a decisão de intervir na Ucrânia foi difícil, e citou a defesa dos habitantes pró-Rússia na região separatista de Donbass, no leste ucraniano.

    A invasão da Rússia à Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro, é condenada pela maior parte dos países do mundo e constitui uma violação do direito internacional por não se enquadrar no que a Carta das Nações Unidas estipula como condição para que uma ação dessa natureza seja legal.

    A reação das potências Ocidentais se deu por sanções econômicas. As restrições atingem bancos e empresas russas, assim como oligarcas do país que enriqueceram após o fim da União Soviética. Na quarta-feira (2), os Estados Unidos anunciaram um novo pacote de sanções focadas no setor de petróleo e gás, um dos mais relevantes na economia russa.

    Instituições financeiras da Rússia também serão cortadas do sistema de pagamentos internacionais Swift. Outra medida já colocada ao país é o congelamento de valores do Banco Central russo, o que impede o país de acessar suas reservas de forma integral.

    Fora os freios econômicos como tentativa de barrar a guerra contra a Ucrânia, a Rússia também passa por represálias em campos simbólicos, como suas manifestações culturais, e no esporte: a Fifa (Federação Internacional de Futebol) suspendeu as equipes russas de todas os torneios internacionais de futebol. Atletas da Rússia e da Belarus, aliada de Putin, também foram excluídos da Paralimpíada de Inverno. Os jogos começaram em Pequim na sexta-feira (4) e vão até o dia 13.

    Putin também falou na reunião sobre as tentativas de criar uma zona de exclusão aérea na Ucrânia. O pedido foi feito pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, para a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Na sexta-feira (4), a aliança militar rejeitou o pedido, com a justificativa de que a medida poderia agravar o conflito. Se fosse estabelecida, a zona de exclusão aérea significaria proibir voo de aeronaves militares sobre a Ucrânia, para proteger a população civil de ataques. Na prática, seria como se a Otan declarasse guerra à Rússia.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.