‘Somos solidários à Rússia’, afirma Bolsonaro a Putin

Presidente brasileiro se encontra com líder russo em meio a tensão no leste europeu. Defesa, agricultura, petróleo e gás são citados como áreas de colaboração

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Jair Bolsonaro disse a Vladimir Putin que o Brasil é “solidário à Rússia”. No encontro realizado em Moscou na quarta-feira (16), o presidente brasileiro também afirmou que os dois países têm “muito a colaborar”, citando as áreas de defesa, petróleo e gás e agricultura.

    O encontro com o presidente russo ocorre em meio às tensões no leste europeu, que giram em torno da relação entre Rússia e Ucrânia. Bolsonaro não faz parte das negociações sobre o impasse e o Itamaraty tem pregado uma política equidistante entre os interesses da Rússia e o das potências ocidentais, que respaldam os ucranianos. Na terça-feira (15), o governo russo anunciou recuo parcial de seus efetivos militares, mas líderes europeus ainda desconfiam dos movimentos de Putin.

    Nas redes sociais, os apoiadores de Bolsonaro vem postando em tom de brincadeira desde terça (15) que o presidente brasileiro ajudou a arrefecer o conflito. Na quarta-feira (16), Bolsonaro deu ar de seriedade aos memes de internet ao falar com jornalistas após o encontro com Putin. O presidente brasileiro disse o seguinte, tentando se associar à distensão entre a Rússia e as potências ocidentais em torno da crise na Ucrânia:

    “Alguns países achavam que não deveríamos vir. Mantivemos nossa agenda, por coincidência ou não, parte das tropas deixou a fronteira”

    Jair Bolsonaro

    presidente do Brasil, em entrevista na quarta (16) em Moscou

    Diferentemente de outros líderes mundiais que se encontraram com Putin na Rússia recentemente, Bolsonaro se sentou próximo ao presidente russo. Isso porque o brasileiro concordou em ser testado para covid-19 diversas vezes após chegar na Rússia. Bolsonaro diz não ter se vacinado contra a doença.

    Recebidos dias antes do brasileiro, o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, e o presidente da França, Emmanuel Macron, se recusaram a serem testados pelas autoridades russas. Por isso, quando se encontraram com Putin em fevereiro de 2022, se sentaram em uma longa mesa, para manter distância.

    Antes do encontro com o líder russo, Bolsonaro participou de uma homenagem a soldados soviéticos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial (1939 a 1945). O presidente brasileiro é um opositor ferrenho do comunismo. O ritual cumprido por Bolsonaro é considerado uma formalidade a ser observada por todos os chefes de Estado que visitam a Rússia.

    Depois da reunião, Putin e Bolsonaro fizeram uma coletiva de imprensa. O brasileiro agradeceu o russo pela acolhida e pelo respeito "à soberania nacional" em momentos de questionamento internacional às políticas ambientais brasileiras. Bolsonaro também afirmou que o Brasil prega a paz.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.