Desmate da Amazônia explodiu sob Bolsonaro, mostra Ipam

Relatório do instituto mostra crescimento de 56,6% no desmatamento amazônico entre 2018 e 2021

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Relatório publicado nesta quarta-feira (2) pelo Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) mostra que o desmatamento do bioma amazônico foi 56,6% maior entre agosto de 2018 e julho de 2021 do que entre agosto de 2015 e julho de 2018.

O período de alta coincide com os três primeiros anos de governo do presidente Jair Bolsonaro. O instituto diz que os níveis alarmantes de desmatamento ficaram claros desde o segundo semestre de 2018, refletindo mudança do comportamento de desmatadores na região, provocadas pela chance cada vez maior de vitória eleitoral de Bolsonaro naquele momento.

O aumento do desmatamento é, segundo o órgão, reflexo do enfraquecimento dos órgãos responsáveis pela fiscalização e da falta de medidas coercitivas, como prisão e multa, além do relaxamento das leis ambientais nesse período.

Na Amazônia, mais da metade do desmatamento do último triênio se deu em terras públicas (51%), sendo que 83% dessas terras públicas pertenciam ao governo federal. O desmatamento em terras indígenas cresceu 153% na comparação do último triênio com o triênio anterior.

Uma das regiões mais afetada é a de divisa entre os estados de Amazonas, Acre e Rondônia, o chamado Amacro, considerada a nova fronteira de devastação do bioma amazônico.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.