Bolsonaro anuncia reajuste salarial de 33% para professores

Governo estudava conceder aumento abaixo do previsto pela Lei do Piso, mas enfrentou forte reação da categoria. Medida tem efeito sobre despesas dos estados e municípios

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (27) que reajustou o piso salarial para professores de todo o país em 33,24%. Com isso, o piso passa de R$ 2.886 para R$ 3.845. O anúncio foi feito pelo Twitter.

    O reajuste para professores é feito anualmente no mês de janeiro. Segundo a Lei do Piso do Magistério, o aumento salarial deve ser igual à variação do valor anual por aluno do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica), que financia as escolas públicas do país. Por esse critério, o reajuste de 2022 seria de 33,24%.

    Até quarta-feira (26), porém, o Ministério da Educação estudava barrar o reajuste previsto na lei. Junto com a Casa Civil e o Ministério da Economia, a pasta estava considerando um aumento de 7,5%, que atenderia a governadores e prefeitos, já que estados e municípios arcam com a maior parte do custo da folha da educação básica.

    A pressão de parlamentares da área da educação e das categorias do magistério, além de ameaças de judicialização, no entanto, levaram o governo a não querer assumir o custo político de dar um percentual de reajuste menor que 33%, segundo o portal G1. Bolsonaro havia sinalizado na noite de quarta-feira (26) que seguiria a Lei do Piso.

    Eu vou seguir a lei. Governadores não querem o [reajuste de] 33%. Eu vou dar o máximo que a lei permite, que é próximo disso [33%], ok?

    Jair Bolsonaro

    presidente da República, em declaração na quarta-feira (26)

    Segundo Bolsonaro, o reajuste vale para cerca de 1,7 milhões de professores que dão aulas em escolas públicas municipais e estaduais. O último aumento de piso havia sido em 2020, já que houve queda do valor de referência em 2021.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.