Morre o poeta amazonense Thiago de Mello aos 95 anos

Escritor foi traduzido em 30 idiomas, militou contra a ditadura e foi homenageado da Bienal de São Paulo em 2021. Causa da morte não foi divulgada

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Morreu nesta sexta-feira (14), aos 95 anos, em Manaus, o poeta amazonense Thiago de Mello, autor de obras traduzidas para mais de 30 idiomas, entre elas Os estatutos do homem.

    A causa da morte não havia sido divulgada até a manhã desta sexta-feira (14). O corpo do poeta será velado no Palácio Rio Negro, no Centro Histórico de Manaus.

    Thiago de Mello foi o homenageado da 34ª Bienal de São Paulo em setembro de 2021. Os versos faz escuro mas eu canto, porque a manhã vai chegar, escritos em 1965, foram usados como tema da exposição na capital paulista. Na época, Thiago de Mello já não concedia entrevistas por sua condição debilitada de saúde. De acordo com o filho dele, o escritor lutava contra uma neuropatia.

    O poeta nasceu em Barreirinha, no interior do estado do Amazonas, em 1926. Já adulto, foi preso durante a ditadura militar (1964-1985). Em seguida, viveu exilado no Chile, na Argentina, em Portugal, na França e na Alemanha antes de voltar à sua terra natal.

    A obra de Mello é marcada pela preocupação com temas como a igualdade, a solidariedade e a defesa dos direitos humanos. Além das poesias, ele publicou diversos trabalhos em prosa entre 1968 e 2000.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.