Após Banco Central e Receita, auditores do trabalho entregam cargos

Segundo sindicato, movimento cobra regulamentação de bônus. Categoria engrossa protestos de servidores federais após reajuste no Orçamento apenas para policiais

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, que representa servidores do Ministério do Trabalho e Previdência Social, anunciou na terça-feira (4) uma debandada dos cargos de chefia e coordenação. O movimento é semelhante ao ocorrido em outros órgãos de governo, como o Banco Central e a Receita Federal.

    Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o vice-presidente da entidade, Carlos Silva, afirmou que 154 cargos de chefia já foram entregues até esta quarta-feira (5). O número representa pouco mais da metade do total de cargos comissionados na categoria, que é de 298.

    Segundo nota emitida pelo sindicato, o movimento ocorre em protesto contra a demora para regulamentação do bônus de eficiência e produtividade para a categoria, previsto em lei desde 2017.

    Funcionários da Receita Federal, que começaram protesto similar em dezembro, também pedem regulamentação de um bônus de produtividade. Diante da sinalização do governo de atender à demanda dos funcionários da Receita, auditores do trabalho pedem isonomia para também serem contemplados e para que a regulamentação do bônus da categoria tramite junto com a das carreiras da Receita.

    Os auditores do trabalho são mais uma categoria a entregar cargos de chefia (mantendo postos concursados) na virada de 2021 para 2022. Os protestos são movidos, no geral, por demandas de bônus e reajustes. Em novembro de 2021, o presidente Jair Bolsonaro prometeu aumento salarial para todas as categorias de funcionários públicos federais. Mas, na articulação do Orçamento de 2022, governo e Congresso indicaram reajuste apenas para policiais.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.