FMI anuncia fechamento de escritório após críticas de Guedes

Entidade internacional vai encerrar atividades até junho de 2022. Ministro apontou erro em previsões de órgão para economia brasileira

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O FMI (Fundo Monetário Internacional) anunciou nesta quinta-feira (16) que vai fechar seu escritório brasileiro até o fim de junho de 2022. A decisão veio um dia depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter criticado a instituição. Segundo nota do órgão, o encerramento de seu escritório em Brasília foi decidido em acordo com as autoridades brasileiras.

    Guedes fez reclamações na quarta-feira (15) sobre a atuação do FMI e criticou o atual presidente do conselho do Credit Suisse no Brasil, Ilan Goldfajn, que foi recentemente nomeado diretor do órgão internacional. Ele afirmou que o FMI previu uma queda superior a 9% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, o que não se concretizou.

    De acordo com Guedes, a entidade se instalou no Brasil em uma época em que o país precisava de assistência para controle de Orçamento e câmbio, mas hoje a permanência não é mais necessária. Ficaram porque gostam, feijoada, jogo de futebol, conversa boa... E de vez em quando criticar um pouco e fazer previsão errada, disse.

    Vou dizer até com delicadeza que nós estamos dispensando o FMI. Eles estão aqui há bastante tempo, havia bastante desequilíbrio. E eu assinei: pode voltar, pode passear lá fora. Vieram aqui para prever uma queda de 9,7%, e a Inglaterra ia cair 4%. Nós caímos 4%, a Inglaterra, 9,7%. Achamos melhor eles fazerem previsões em outro lugar

    Paulo Guedes

    ministro da Economia, em declaração na quarta-feira (15)

    Criado após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o Fundo Monetário Internacional foi concebido para ser uma reserva de socorro para países em dificuldade. O financiamento vem, na maior parte, de países ricos, sendo que os pedidos de empréstimos vêm, historicamente, de nações em desenvolvimento. Além de atuar como credor, o FMI cumpre o papel de avaliar e fazer projeções sobre o andamento da economia global.

    O Ministério da Economia afirmou em nota, que, apesar das críticas, do ponto de vista estritamente técnico, a permanência do FMI no Brasil não faz sentido. O fundo mantém escritórios apenas em países com os quais tem programa ativo, o que torna o obsoleta a manutenção de um escritório no país. No caso brasileiro, o último acordo financeiro com o FMI ocorreu em 2002 e foi pago antecipadamente em 2005. O Brasil hoje é credor do FMI, se referindo ao título conquistado em 2009.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.