África do Sul detecta nova variante da covid e alerta OMS

Cepa B.1.1.529 tem mutações que podem ajudá-la a escapar do sistema imunológico e torná-la mais contagiosa, mas testes ainda precisam confirmar a hipótese

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Cientistas da África do Sul detectaram uma nova variante da covid-19 e estão trabalhando para entender suas possíveis implicações, segundo anúncio feito nesta quinta-feira (25) por especialistas e pelo governo sul-africano.

A variante, chamada por enquanto apenas de B.1.1.529, tem um alto número de mutações, o que poderia ajudá-la a escapar da reação imunológica do corpo, aumentando as chances de transmissão, disseram os cientistas. Segundo o anúncio, testes iniciais em laboratórios levam a crer que a variante aumentou rapidamente na província de Gauteng, a mais povoada do país, e que ela pode já estar presente nas outras oito províncias sul-africanas.

A África do Sul confirmou cerca de 100 espécimes como B.1.1.529, um número considerado baixo, mas a variante também foi encontrada em Botswana e Hong Kong — onde foi detectada em um viajante sul-africano. O país pediu uma reunião urgente de um grupo de trabalho da OMS (Organização Mundial da Saúde) para tratar da nova cepa e da evolução do vírus. A expectativa é que o encontro ocorra na sexta-feira (26).

Mutações em vírus são comuns e esperadas, e novas variantes do Sars-CoV-2, causador da covid-19, estão sempre surgindo. A maioria delas não afeta significativamente as suas características, mas algumas cepas têm taxas de transmissão maiores ou podem reagir de forma diferente a medicamentos e imunizantes. A depender da gravidade das mutações, a OMS atribui a elas a alcunha de “variantes de interesse”, quando passam a ser monitoradas, e “variantes de preocupação”, quando é identificado risco maior. A mais recente variante a receber esse título foi a delta, que se tornou dominante em vários lugares do mundo.

O ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, disse que é cedo demais para dizer se o governo deve impor restrições mais rigorosas. A África do Sul enfrenta crescimento de novos casos de covid. Na quarta-feira (24), mais de 1.200 novos casos foram registrados. Os dados desta quinta (25) elevaram o número diário para 2.465 novas infecções. No início de novembro, o país registrava cerca de 100 casos por dia. O Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul, no entanto, não atribui o crescimento dos casos à nova variante.

Na África do Sul, apenas cerca de 35% da população completou o esquema vacinal, segundo dados divulgados pelo governo nesta quinta-feira (25). Considerada pela OMS um fator de risco para o desenvolvimento de novas variantes e a perpetuação da pandemia, a desigualdade mundial na distribuição de vacinas atinge em especial o continente africano, onde só 6,6% da população está totalmente vacinada contra a covid, de acordo com comunicado divulgado pelo Centro Africano para Controle e Prevenção de Doenças. Reino Unido, Alemanha, Itália, França, República Tcheca, Israel, Cingapura e Japão anunciaram a restrição de voos vindos de países do sul da África em decorrência da nova variante.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.