Primeira mulher chefe de governo da Suécia renuncia após horas no cargo

Social-democrata Magdalena Andersson deixou a posição de primeira-ministra após derrota em votação do Orçamento e perda de apoio do Partido Verde

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Magdalena Andersson, primeira mulher a ocupar o cargo de premiê da Suécia, renunciou nesta quarta-feira (24). A decisão veio horas depois de assumir o poder.

    Andersson havia sido eleita pelo parlamento após um acordo alcançado na terça-feira (23). Pela fórmula eleitoral do país nórdico, um candidato não precisa de apoio da maioria para se eleger. É preciso apenas não receber votos contrários da maioria do parlamento de 349 cadeiras – ou seja, 175 votos desfavoráveis. Andersson, do Partido Social Democrata, foi eleita com 174 votos contrários, no limite para chegar ao cargo.

    A renúncia ocorreu após duas derrotas logo no primeiro dia de mandato. Primeiro, a proposta de Orçamento do governo foi rejeitada em prol de uma versão elaborada por partidos de direita. Ou seja, Andersson teria de governar com uma peça orçamentária elaborada pela oposição. Além disso, poucas horas após a posse, o Partido Verde sueco comunicou que deixaria a coalizão de governo.

    A agora ex-premiê sueca havia ocupado o Ministério das Finanças em 2014. Ela comandou a pasta durante o mandato do também social-democrata Stefan Löfven, primeiro-ministro entre 2014 e 2021. Ele renunciou em 10 de novembro, abrindo caminho para a tentativa eleitoral de Andersson.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.