EUA formam aliança inédita para derrubar preço do petróleo

Em ação conjunta com China, Reino Unido, Índia, Japão e Coreia do Sul, governo americano vai liberar milhões de barris de sua reserva estratégica para ampliar oferta do produto

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O governo dos EUA anunciou nesta terça-feira (23) que vai liberar 50 milhões de barris de petróleo bruto da reserva estratégica do país, em tentativa de derrubar o preço do produto por meio da ampliação da oferta. A medida faz parte de uma aliança internacional inédita formada com China, Reino Unido, Índia, Japão e Coreia do Sul, que também farão uso de suas respectivas reservas.

    A interferência no mercado acontece em resposta ao que Joe Biden, presidente americano, já descreveu como “a recusa da Rússia e nações da Opep [Organização dos Países Exportadores de Petróleo] de produzir mais petróleo”. O grupo e seus aliados cortaram a oferta após um crash nos preços da commodity em 2020, durante os primeiros meses da pandemia de covid-19. Com a retomada da atividade econômica e o valor do petróleo voltando a subir, os países da Opep e aliados têm aumentado aos poucos a produção, ignorando pressões dos EUA para que acelerem o ritmo.

    A elevação dos preços internacionais do petróleo tem se refletido em altas no valor de combustíveis por todo o mundo. Nos EUA, a inflação tem tido impacto negativo sobre a aprovação do governo de Biden. Com a nova medida, o presidente reage também a tensões em torno da época de festas de fim de ano, geralmente marcada por um pico no consumo de combustíveis, conforme muitas pessoas viajam longas distâncias para encontrar familiares.

    Segundo o governo americano, a liberação dos 50 milhões de barris da reserva será dividida em duas partes. 32 milhões de barris do petróleo bruto serão dados como empréstimos a refinarias ao longo de vários meses, enquanto 18 milhões de barris passarão por uma venda acelerada. Já o Reino Unido vai permitir que as empresas do país liberem ou não as suas reservas — se todas participarem, a oferta será de 1,5 milhão de barris.

    O estoque de petróleo dos EUA é o maior do mundo, formado por 620 milhões de barris guardados em cavernas subterrâneas nos estados do Texas e Louisiana. Criada após a crise petrolífera de 1973, a reserva foi raras vezes usada em quantidades tão grandes: apenas em casos emergenciais, como quando o Furacão Katrina danificou a infraestrutura de produção de petróleo no Golfo do México, em 2005.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.