Banco Central muda regras para horário noturno do Pix

Período em que transferências de pessoas físicas ficam limitadas a R$ 1.000 deve começar no máximo às 22h. Medida busca aumentar segurança

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Banco Central alterou nesta segunda-feira (22) as opções de escolha para o chamado período noturno do Pix, em que as contas de pessoas físicas têm limite de R$ 1.000 para transferências e pagamentos.

    O horário é definido pelos próprios usuários do Pix. Até então, o período noturno podia começar entre 20h e 23h59 — a partir de agora, esse período deve começar, no máximo, às 22h, de acordo com a nova regra. O período dura até as 6h do dia seguinte. A mudança foi publicada no Diário Oficial da União.

    O período noturno do Pix foi criado em outubro para evitar golpes, roubos e sequestros ligados ao serviço. Em São Paulo, por exemplo, sequestros-relâmpago foram impulsionados em 2021 por conta da facilidade do pagamento via Pix, segundo dados do estado.

    110 milhões

    é a quantidade de usuários do Pix, segundo dados do Banco Central de setembro de 2021

    R$ 3,46 trilhões

    foi o total transferido via Pix até o fim de setembro de 2021

    Segundo a nova regra do Banco Central, os usuários do Pix têm até 29 de julho de 2022 para estipular quando começa o período noturno. Na medida desta segunda-feira (22), o órgão também define que os bancos poderão bloquear preventivamente operações consideradas suspeitas.

    Assim como antes, é possível pedir a alteração do limite de R$ 1.000 no horário noturno. Para isso, os clientes devem entrar em contato com suas instituições financeiras. Os aumentos de limites costumam ser efetivados entre 24h e 48h após o pedido.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.