Prefeituras fazem processo de compra de kit ineficaz para covid

Municípios ainda realizam licitações para aquisição de medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina mesmo com ineficácia comprovada

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Mesmo com ineficácia comprovada e sem recomendação de uso da OMS (Organização Mundial da Saúde), o chamado kit covid está nos planos de aquisição das cidades de Redenção (PR), Passo Fundo (RS), Campo Maior (PI) e Araputanga (MT), mostrou reportagem do portal UOL publicada nesta quarta-feira (27).

    Os municípios concluem desde junho licitações em pregão modalidade na qual a empresa que oferece preço mais competitivo fecha contrato com as prefeituras para a compra de medicamentos que fazem parte do kit recomendado durante a pandemia pelo governo Bolsonaro, como a ivermectina e a hidroxicloroquina.

    A reportagem indica que a cidade de Redenção chegou a homologar em 16 de junho uma licitação que permite a compra de mais de 900 mil comprimidos de ivermectina, hidroxicloroquina, azitromicina e zinco até o fim de 2021. O secretário de Saúde da cidade, vereador João Lucimar Borges (PSD-PA), disse ao UOL que a distribuição dos remédios já foi suspensa.

    R$ 901 mil

    é o valor da licitação homologada pela cidade de Rendenção (PA) para aquisição do kit covid

    Já a cidade de Passo Fundo (MS), além de realizar a compra 4.000 pílulas de hidroxicloroquina sem licitação no valor de R$ 5.346, homologou pregão para a compra de mais 18 mil comprimidos do medicamento em julho, por R$ 26.946. Cristine Pilati Pileggi Castro, secretária de Saúde do município, disse em nota que fica a critério do médico e do paciente o uso dos remédios.

    Araputanga (MT) concluiu dois processos de licitação em setembro, um para 1.000 pílulas de ivermectina e outro para adquirir 5.000 comprimidos de hidroxicloroquina por cerca de R$ 19.700. Mas o secretário municipal de Saúde, Hudson Cunha, disse que a prefeitura não irá comprar os remédios que a licitação permite. A prefeitura de Campo Maior (PI) não se pronunciou sobre a licitação de R$ 35.850 para a compra de 7.500 comprimidos de hidroxicloroquina e de 10 mil de ivermectina que homologou em 9 de julho de 2021.

    Desde meados de 2020, pesquisas científicas demonstraram que não existe tratamento precoce contra a covid-19 e os remédios do kit covid não servem como tratamento da doença. Esse é o posicionamento das principais autoridades de saúde e medicina do mundo e no Brasil, como a OMS , o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, a Agência Europeia de Medicamentos, a Sociedade Brasileira de Infectologia e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.