Promotoria denuncia 2 policiais por massacre do Jacarezinho

É a primeira acusação formal apresentada pela força-tarefa do Ministério Público que investiga a mais letal operação da história do Rio de Janeiro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou na quinta-feira (14) dois policiais civis pela participação na mais letal operação policial da história do estado, ocorrida no Jacarezinho, na zona norte da capital, em maio de 2021, quando 28 pessoas morreram, sendo 27 civis e um policial civil.

    Foi a primeira denúncia oferecida pela força-tarefa criada pelo Ministério Público fluminense para investigar a ação. Segundo o site G1, o policial Douglas de Lucena Peixoto Siqueira foi acusado pelo crime de homicídio doloso e por fraude processual. O outro, Anderson Silveira, apenas por fraude processual. A denúncia diz respeito a um caso envolvendo o morador Omar Pereira da Silva, que foi morto dentro de casa durante a operação.

    O Ministério Público diz que ele foi morto quando estava encurralado, desarmado, ferido e rendido dentro de um quarto infantil. Os dois denunciados teriam efetuado os disparos e retirado o corpo do local, antes de a perícia ser feita. Os promotores dizem ainda que os dois agentes colocaram uma granada no local, para tentar incriminar a vítima. Além disso, levaram à delegacia uma pistola e um pente de balas, atribuindo falsamente a posse do material ao homem que tinham matado.

    A Polícia Civil informou que irá se manifestar sobre o mérito das acusações após análise de todos os depoimentos e a chegada dos laudos periciais. Ao todo, a operação no Jacarezinho resultou em 12 ocorrências registrando possíveis abusos de agentes de segurança. Em algumas delas, há registro de pessoas que foram mortas pela polícia sem que estivessem portando nenhuma arma.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.