40% dos pacientes da Prevent com covid grave em 2020 morreram

Dados foram apresentados pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo à CPI aberta na Câmara Municipal da capital paulista para apurar irregularidades na operadora de saúde

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Cerca de 40% dos pacientes internados em estado grave com covid-19 em hospitais da operadora Prevent Senior em 2020 morreram, segundo dados de um relatório apresentado nesta quinta-feira (14) à CPI da Prevent Senior na Câmara Municipal de São Paulo. A informação foi publicada pelo jornal O Globo.

    O percentual é maior do que os 22% citados pelo diretor da empresa, Pedro Batista, em depoimento à CPI da Covid no Senado em 22 de setembro — mas na ocasião ele se referiu a todos os hospitalizados com covid pela Prevent até então, cerca de 18 mil pessoas.

    De acordo com o relatório apresentado nesta quinta (14) pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, a Prevent Senior notificou 7.705 casos de síndrome respiratória aguda grave em 2020, dos quais 5.431 foram causados por covid-19. Desse total, 2.210 pessoas morreram, o que corresponde a cerca de 40% dos pacientes com a doença. Em 2021, o percentual caiu para 35,16%.

    Os números são do Sivep-Gripe, banco de dados oficial de síndrome respiratória aguda grave, e foram encaminhados à CPI por Luiz Artur Vieira Caldeira, coordenador da Covisa, órgão de vigilância sanitária da capital paulista.

    Caldeira depôs à CPI nesta quinta-feira (14), primeiro dia de audiências da comissão que busca investigar a atuação da Prevent Senior na pandemia. O plano de saúde é suspeito de ter cometido irregularidades. A operadora também é alvo da CPI da Covid no Senado.

    Também nesta quinta-feira (14), a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) nomeou uma diretora técnica para acompanhar a Prevent, segundo o portal G1. Ela não terá poder de gestão, mas observará atividades do plano e poderá pedir informações. Trata-se de uma medida que visa aumentar a fiscalização sobre a empresa. A Prevent disse que deve colaborar.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.