Coquetel injetável da AstraZeneca é eficaz contra covid, aponta teste

Medicamentos com tecnologia semelhante, de outros laboratórios, já têm autorização para uso emergencial no Brasil. Mas custo alto tem impedido incorporação pelo SUS

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca afirmou nesta segunda-feira (11) que seu coquetel de anticorpos contra a covid-19, uma terapia intramuscular experimental, ajudou a reduzir em 50% o risco de doença grave ou morte em um estudo de estágio avançado, atingindo a meta da empresa. O medicamento ainda precisa de autorização das agências sanitárias para ser comercializado pelo mundo.

Chamado AZD7442, o coquetel foi concebido para proteger as pessoas que não têm uma reação imunológica forte a vacinas. É o primeiro tratamento de anticorpos monoclonais (produzidos em laboratório e com capacidade para bloquear a entrada do coronavírus nas células humanas) a se mostrar promissor tanto como medicamento preventivo quanto como tratamento contra covid-19 após diversos testes.

Pelo menos outros quatro medicamentos de anticorpos monoclonais têm atualmente aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial. No entanto, com alto custo e eficácia limitada, nenhum deles, por enquanto, foi incorporado ao SUS (Sistema Único de Saúde).

O estudo da AstraZeneca registrou a redução de risco de casos graves de covid-19 ou morte em 50% para pacientes não hospitalizados que tiveram sintomas durante sete dias ou menos. Na semana do dia 7 de outubro, a AstraZeneca pediu à FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos EUA), a agência sanitária americana, uma autorização de uso emergencial do coquetel como terapia preventiva. O uso no Brasil também deverá depender de autorização da Anvisa.

Também nesta segunda (11), a farmacêutica Merck (ou MSD) afirmou ter pedido autorização de uso emergencial nos EUA para o remédio molnupiravir, seu comprimido para tratar de pacientes com casos de covid-19 entre leves e moderados. Esse pode ser o primeiro remédio antiviral oral contra a doença. Se autorizada, a pílula poderá ser ingerida em casa, algo que é considerado por especialistas um fator importante para o combate à pandemia. Pelos resultados anunciados pela empresa, o tratamento também é capaz de diminuir pela metade as chances de morte ou hospitalização para as pessoas que correm mais risco de contrair formas severas de covid-19.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.