‘Falta de consideração’, diz Marcos Pontes sobre corte na Ciência

Ministro alertou Bolsonaro sobre ‘oportunistas de última hora’ e diz que ação é equivocada, ilógica e que foi promovida sem diálogo com a comunidade científica

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, queixou-se neste domingo (10) do corte de R$ 600 milhões que sua pasta sofreu na quinta-feira (7). Em publicações no Twitter, Pontes afirmou que a medida é uma falta de consideração. Embora o corte tenha se dado pela aprovação de um Projeto de Lei no Congresso, a crítica de Marcos Pontes atinge também o ministro da Economia Paulo Guedes, já que o pedido teria partido dele.

Nas publicações, Pontes afirma que os cortes são equivocados, ilógicos e que foram promovidos sem diálogo com a comunidade científica e o setor produtivo. O ministro da Ciência já havia se pronunciado sobre o assunto na sexta-feira (8), em entrevista durante a 1ª Feira Brasileira do Nióbio, em Campinas (SP). Na ocasião, disse que foi pego de surpresa pela aprovação do Projeto de Lei e que pensou em deixar o cargo, mas recuou da ideia. Também disse que espera apoio do presidente Jair Bolsonaro para recuperar o orçamento da pasta.

Caso o texto aprovado no Congresso seja sancionado, dos R$ 690 milhões que seriam destinados para o MCTI (Ministério Ciência, Tecnologia e Inovações) via abertura de crédito suplementar, apenas R$ 89,8 milhões permanecerão na pasta. O restante será dividido entre outros ministérios como o da Educação (R$ 107 milhões), da Saúde (R$ 50 milhões) e do Desenvolvimento Regional (R$ 150 milhões). Diversas entidades ligadas à produção científica criticaram o corte.

Neste domingo (10), Pontes afirmou que “a necessidade de orçamento do MCTI é pública e tem sido apresentada em todas as instâncias e ocasiões”. Reforçou que está junto com o presidente Jair Bolsonaro, mas o alertou sobre os “oportunistas de última hora”.

As críticas de Marcos Pontes coincidem com a escalada da crise de Paulo Guedes, que sofre forte pressão inclusive da base do governo no Congresso. Com a revelação de que Guedes e o presidente do Banco Central, Campos Neto, mantêm empresas em paraísos fiscais, o ministro da Economia acabou convocado a se explicar na Câmara.

Continue no tema

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.