Reino Unido reduz restrições para brasileiros vacinados

Estrangeiros de outros 46 países foram beneficiados por medida que deixa de obrigar quarentena para entrada na região. Turistas imunizados com Coronavac, no entanto, ainda terão que cumprir exigências

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O governo do Reino Unido anunciou nesta quinta-feira (7) que vai retirar 47 países, incluindo o Brasil, de sua lista vermelha de restrições para turistas por conta da covid-19. Moradores vacinados desses países poderão ir ao Reino Unido sem obrigação de quarentena.

    Turistas sem a vacinação completa, ou com determinados imunizantes, continuam tendo de cumprir quarentena por dez dias em hotéis designados pelo governo britânico, além de apresentar dois testes do tipo PCR negativos.

    O anúncio sobre as mudanças nas viagens internacionais foi feito pelo secretário de Transportes do Reino Unido, Grant Shapps. As novas regras, que também contemplam países como Índia, Turquia e África do Sul, começam a valer na segunda-feira (11).

    As novas regras valem para quem está imunizado com vacinas que receberam aval no Reino Unido – AstraZeneca, Pfizer, Moderna e Janssen. A Coronavac não recebeu autorização britânica, e por isso turistas brasileiros imunizados com a Coronavac ou parcialmente imunizados com outras vacinas ainda terão que atender a certas exigências, segundo o jornal Folha de S.Paulo. Antes de viajar, eles terão que:

    • realizar teste três dias antes do embarque
    • cumprir dez dias de quarentena — com a opção de fazer teste para ser liberado depois de cinco dias — em seu local de estadia, não necessariamente em hotel

    Sete países latino-americanos — Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, República Dominicana, Haiti e Panamá — continuam sujeitos à quarentena obrigatória no Reino Unido. O governo britânico quis mantê-los na lista vermelha por conta das variantes lambda e mu, presentes na região.

    Continue no tema

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.